domingo, 11 de agosto de 2019

BIPOLARIDADES DA VIDA.

Num dia tá tudo bom, verde, no outro tá tudo ruim, cinza. Às vezes, tá muito quente e num outro momento muito frio. Tardes se fazem muito secas ou úmidas demais, nos deixando pesados, desanimados e no final de cada queixa, que nos enruga a testa, uma pergunta fica presa no peito, como um pigarro de fumante que não quer ser expelido, somente sufocar:
O que faço, o que eu quero? Como arrumar este ensopado de forma a ficar aceitavelmente digerível, se a chuva que lava a alma, noutros momentos nos parece tão incomoda?.. Somos bipolares,  ou é a vida que nos rodeia assim tão cheia de instabilidades?..

terça-feira, 6 de agosto de 2019

O QUE PRESTA NESTE BLOG


Sabe qual é a melhor parte deste blogue a ser acessada? É a que dá dicas de viagens, que fala sobre algumas experiencias que tive por este mundo de Deus e que enchem os olhos dos navegadores curiosos e cheios de sonhos.
As outras viagens, aquelas que são mentais, emocionais, temperamentais, sociais, sexuais e loucas, não causam curiosidade, nem tão pouco chamam a  atenção de leitores. Sem querer ser um influenciador do que deve ser lido por aqui, mas já sendo, elas são chatas!..


sexta-feira, 2 de agosto de 2019

NÃO LIGA, EU DESLIGO

Nem ligas, quando te ligo e me falas que vai ligar em seguida e não liga. Eu acabo me desligando e também não ligo, sentindo um gosto de desinteresse e aquela sensação de que não tínhamos nada a dizer um para o outro mesmo.
Então que se faça esse silencio intranquilo, entre nós por semanas, ate me ligares da cama, reclamando que eu não ligo.

EU SEMPRE ACREDITEI NISTO

quarta-feira, 3 de julho de 2019

O RUIDO DA MORTE DOS SAPOS

Os sapos coaxavam em todos os meses de Julho, na vala sobre a calçada, da casa de seu Julio, quando a rua ainda era de chão batido e até hoje em meus ouvidos!.. 
Entrincheiravam-se nas raízes dos capins e seu Julio caçava-os para assassina-los cruelmente com seus pés brancos e inchados da hipertensão.
Dizia que se não o fizesse, invadiriam sua casa e até a dos vizinhos. Pegava os sapos mais gordos, sem piedade e esmagava-os com uma unica pisada de tamanco, provocando um estranho ruido de morte e de satisfação no seu olhar de vingador 
Eu tinha seu Julio como um homem de índole duvidosa. Muito gordo, como os sapos que matava, descendia de alemães e fazia rinha entre os garotos da vizinhança, que se acumulavam no final da tarde em sua calçada, para ouvirem as histórias violentas que contava.
Um dia eu soube da sua morte e passei a acreditar que teve um mal súbito e caiu na vala lamacenta onde caçava e matava as suas vítimas.

sábado, 29 de junho de 2019

OUVINDO VOZES.

Por acaso tu já ouviu vozes no pé do ouvido, quando estava em casa entretido, fazendo alguma coisa, ou mesmo na rua, atarefado, te causando um pequeno susto e fazendo tu olhar pro lado sem encontrar ninguém e depois achares que esta voz veio de ti mesmo, criada de tua cabeça, dos teus próprios pensamentos estressados?
As vezes nem dá para entender o que estão dizendo, pois são frases curtas, ou apenas dizem o meu nome, como se quisessem me chamar a atenção, ou alertar sobre alguma coisa importante.
Se isto não acontece contigo, nem nunca aconteceu,  tu deve estar com algum problema muito sério!

sexta-feira, 28 de junho de 2019

O GAÚCHO E O TELEFONE MÓVEL

Num dia frio de inverno, estávamos retornando de São José dos Ausentes para Porto Alegre, num micro-ônibus cheio de mulheres, quando localizamos um gaúcho montado em seu pingo, numa coxilha a nossa direita da estrada. A mulherada se alvoroçou tanto quando o viram, que até alguns sonhos de fórum intimo, com gaúcho desconhecido, foi colocado em publico causando grandes gargalhadas. 
A beleza daquela imagem, um gaúcho de chapéu, capa e cavalo pretos, emoldurados pela neblina densa que caia, era mesmo de tirar o folego e se parecia com uma foto retirada de algum livro de historias folclóricas. 
A medida que nosso veiculo se deslocava e contornava a coxilha, sua imagem foi ficando mais visível e notamos que ele tinha numa das mãos um telefone celular e que possivelmente tentava capturar algum sinal.
Ao perceberem isto, a gargalhada foi ainda maior, pois os sonhos e fantasias de qualquer natureza, desabaram na  mesma hora. 

quinta-feira, 27 de junho de 2019

MAS O MUNDO É ASSIM MESMO VIU?

Certamente faz parte do nosso dia à dia, alguns "amigos" te empurrarem contra cercas de arames farpados, para ver como tu reages. Isto deve ser um tipo de teste, para conferirem se as feridas provocadas são profundas e qual a intensidade do sangramento.
Se tu gritas, chora de dor e sangra, eles te olham com ar de solidariedade e de proteção e oferecem o ombro amigo,  te convidando a deitar a cabeça, conferindo-lhes uma certa autossatisfação e superioridade, disfarçada de bondade. Se nada acontece e saímos ilesos, se frustam e somos classificados como sequelados de alguma doença psico social ainda a ser descoberta.
Mas o mundo é assim mesmo viu? Os homens dão empurrões nos outros e ficam testando suas próprias vulnerabilidades em vidas alheias, porque precisam disto para se enxergarem.

sábado, 22 de junho de 2019

NÃO QUERO DESVENDAR CERTOS MISTÉRIOS DA VIDA.


Eu tenho saudades de muitas coisas que vivi e de outras que não vivi, por que certamente, nem estava presente, quando aconteceram. Talvez alguns fatos, eu tenha ouvido falar ou lido em algum jornal, não sei ao certo.., porque me perco na grandeza do tempo e do espaço que medra.
Lembro de ruas, bares, lugares, cidades que nunca estive, de olhares, abraços de pessoas que não tenho certeza se recebi, porque as imagens são meio vagas no tempo presente e tudo parece um mistério que às vezes nem quero desvendar, apenas relembrar com pitadas de saudades. 

ARRISCANDO O PESCOÇO

Às vezes saia a caminhar nas margens daquele rio, em pleno outono. Ia sozinha para ouvir a água se arrastar por entre os cascalhos ponte-agudos e algum lixo que encalhava nas margens e no pilar da ponte que cruzava a cidade. Não percebia as horas passarem. Depois, sentava, onde possivelmente outras pessoas, em algum momento, deviam ter sentado, um banco solitário, abaixo do trafego pesado de veículos, para ver a água do rio se encostar  na linha do horizonte que mudava de um alaranjado, para o breu.
Aquele devia ser obviamente, um local perigoso de encontros, a água, a ponte, o banco, o horizonte e ela, que por não ter mais nada o que fazer, arriscava o pescoço, diante de tamanha beleza inexplicável. 

sexta-feira, 21 de junho de 2019

RABADA COM MANDIOCA


Na quinta-feira, fui a o Mercado Publico, a procura de um rabo de boi. Fui convidado a participar de uma rabada na sexta à noite e o ingresso era que cada participante, levasse um rabo de boi, que seria cozido com mandioca no fogão a lenha. 
Aproveitei para comprar também língua de boi, fígado de galinha, ossinhos de porco salgado e banha, para dar mais gosto a o feijão preto, que cozinharei durante a semana.
Na sexta-feira de tarde, dia da rabada, eu e minha prima estávamos sentados na praça, quando ouvimos o rufar de um tambor distante, que nos chamou a atenção e em seguida se silenciou, sem que conseguíssemos localizar de onde partia o som. Ficamos em silencio e pensei aqui com meus botões "Isto é coisa da nossa ancestralidade". Coisa que não se explica!

quinta-feira, 21 de março de 2019

CAYO BLANCO-CUBA


Uma das atividades mais legais que fiz em Varadero, praia conhecidíssima em Cuba, foi o passeio de escuna à Cayo Blanco.  Cayo para quem não sabe, são pequenas ilhas geralmente não habitadas devido ao seu reduzido tamanho e a falta de fontes naturais de água potável.
O percurso por águas cristalinas, tem paradas para mergulhar, curtir a fauna marinha e alimentar as aves que se aproximam do barco em busca de petiscos.


Depois de um tempo navegando e bebendo rum cubano, se chega no Cayo, uma ilha de areia branca, paradisíaca, banhada por águas azuis e morna. Apesar de ser um lugar bastante concorrido pelos turistas, aconselho muito realizar este passeio, ainda mais se você está com uma turma de amigos. A experiência ficará para sempre na sua lembrança!


A história de Cayo Blanco remonta a 1972, quando Fidel Castro durante uma visita de estado a Berlim, decidiu honrar os anfitriões de forma simbólica em alguns dos cayos. Em particular, Cayo Blanco del Sur que foi renomeado como Cayo Ernest Thaelmann, em homenagem ao líder do Partido Comunista Alemão que entre 1920 e 1930 se opôs a Hitler e que anos mais tarde foi aprisionado e executado.
No reduzido território, Cayo Blanco acolhe espécies em perigo de extinção como o coral negro. As praias são extensas e a maioria são virgens, o que dá um charme ainda maior à área, por isso é o destino perfeito para completar as suas férias em Cuba.
Além disso, se por algum motivo, Cayo Blanco se destaca é pelas maravilhas que esconde no fundo do mar. É ideal para praticar mergulho ou snorkeling, entre uma grande variedade de peixes, crustáceos e corais. Desta forma irá observar uma impressionante barreira de coral, relaxar na esplêndida praia, deitar na fina areia clara e refrescar-se nas extraordinárias águas completamente cristalinas.
Até o próximo passeio!

terça-feira, 12 de março de 2019

ITAPIRUBÁ

Neste final de semana 01/03 à 05/03 de 2019 eu e a Rô, levamos um grupo de pessoas para Itapiruba, uma praia, localizada metade na cidade histórica de Laguna e com sua outra metade no município de Imbituba, no estado de SC.


Era carnaval e nossa intenção era de levar o grupo para uma praia mais calma, de água límpida e que nos proporcionasse mais opções de programas, como fazer trilhas, tomar banhos de sol e mar, descansar e ter ainda a opção de deslocar para a muvuca do carnaval Lagunense, se assim quiséssemos, já que Itapiruba, fica a poucos minutos de Laguna.


Com belas praias, dunas e lagoas, Itapirubá é dividida por duas praias, Mar Sul e Mar Norte, distantes 250 metros uma da outra, as quais são separadas por um morro, chamado de Morro de Itapirubá, onde se pode fazer trilhas e ver lá de cima, toda toda a costa marítima e suas ilhas.


ILHA DAS ARARAS:
Do alto deste morro, alem de apreciar a trilha com uma flora diversificada, pode-se contemplar a  dimensão do mar e a sua baia além da  Ilha das Araras, localizada ha 3 quilômetros da costa. Nesta ilha pratica-se o mergulho e a pesca de anchova, comum naquelas águas. Sua dimensão de 96.860 metros quadrados, é selvagem, não é habitada e possui um farol com 11 metros de altura. 


O mar de águas límpidas de Itapirubá é de um verde claro e transparente e com ótima balneabilidade.
A infraestrutura é pequena, poucos mercadinhos, alguns restaurantes e alguns bares que funcionam na beira mar, em temporadas festivas como o carnaval; ou seja: "O que é menos é mais".
A praia é sem duvidas um excelente lugar para  o descanso e o combater o stress causado pelas cidades grandes. Para terminar este post, devo dizer, que o sucesso do passeio, só foi possível graças ao grupo que estava comprometido em fazer dele, momentos de prazer e também mostrando que o melhor do ser humano é a alegria e a ciência da convivência em grupo.

ORIGEM DO NOME:
O nome Itapirubá tem origem indígena: "pedra apontada para o mar".
Colonizada por açorianos, mantém traços desta cultura que podem ser observados na gastronomia e na forma rústica do trabalho dos pescadores. Itapirubá em tupi_guarani também pode ser chamado de ( lugar de penhasco).
A distancia  entre Porto Alegre e Itapirubá é de 360 quilômetros - 4 horas e 15 minutos. De Itapiruba à Laguna 24 quilômetros. De Itapiruba à Imbituba 22 quilômetros.

Até o próximo passeio!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

ILHOTA A PRIMEIRA GRANDE FAVELA DE POA



Na metade do século XX o governos brasileiro decidiu fazer uma limpa em suas grandes cidades e em Porto Alegre não foi diferente. Com o fim da escravidão, em 1888, os negros não tiveram nenhum tipo de assistência para se adaptarem à sua nova condição de “liberdade”. fazendo com que a grande maioria fosse se realocando em lugares ruins de morar, porém próximos da zona urbana, sem a necessidade de pagar aluguel e transporte urbano, podendo assim, deslocarem-se à pé para o trabalho e aos serviços de saúde gratuitos na cidade.


SURGIMENTO DA ILHOTA:
A Ilhota surgiu após a Intendência Municipal de Porto Alegre, decidir fazer uma limpa na cidade, dando inicio a fase de modernização da cidade em vários níveis como urbanização, saneamento, transportes, arquitetura e etc.. realocando estas pessoas para um único lugar, a velha e conhecida técnica de varrer a sujeira pra baixo do tapete.

EXPANSÃO DA ILHOTA:
A “Ilhota” a primeira grande favela de Porto Alegre, localizada às margens do arroio Dilúvio, quase na confluência com o Guaíba, aumentava gradativamente, na medida em que recebia mais moradores oriundos de outras vilas e que não tinham pra onde ir.
A Vila Piratini, que ficava onde hoje está o Colégio Júlio de Castilhos, em 1947, foi levada para uma zona ao lado da Ilhota criando a Vila DTO onde agora fica o Colégio Protásio Alves. Na prática, essa era mais uma vila chamada popularmente de Ilhota, assim como a Vila dos Eucaliptos e o Cantão. “O que dividia a DTO da Ilhota era a Rua Arlindo, mais ou menos por onde abriram a Érico Veríssimo. 


Habitada por moradores pobres e em sua maioria, negros ou pardos, era mal vista pelos demais porto-alegrenses, que a consideravam um local de marginais e ladrões - o que, em certa medida, era verdade. Mas, também foi habitada por uma esmagadora maioria de trabalhadores que davam duro para ganhar a vida. Vivendo em sub-habitações, os moradores da Ilhota eram inevitavelmente, as primeiras vítimas das grandes enchentes que assolavam a capital gaúcha, entre elas a cheia de 1941.

COMO NASCEU A ILHOTA:
A Ilhota, surgiu em Porto Alegre, depois que o intendente José Montaury alterou o fluxo de um dos veios fluviais que serpenteava a cidade, muito antes do Arroio Dilúvio ser canalizado e sonhar em existir. Em seu lugar havia o Riacho, apelidado Riachinho, cujas curvas acentuadas delimitavam uma zona que se alagava muito quando chovia. 
A obra de Montaury criou um veio onde a água mal circulava, tornando-se um fétido berçário de mosquitos, que os porto-alegrenses denominaram “braço morto do Riacho”. Seu leito formava uma área cercada de água onde se formou uma vila, que se expandiu e deu nome a um conjunto de comunidades carentes chamado popularmente de Ilhota.



A NOVA MORADIA:
Na Ilhota, nasceram também gaúchos ilustres, como o compositor Lupicínio Rodrigues e o craque de futebol, Osmar Fortes Barcellos, o Tesourinha.
Considerada uma chaga urbana, todos os prefeitos anunciavam que iriam removê-la, o que aconteceu aos poucos e foi consumado durante o governo de Guilherme Socias Villela, na década de 1970, quando se construiu o bairro da Restinga, hoje uma verdadeira cidade na zona sul.
Na época, só existiam no bairro as minusculas casas-germinadas construídas e ser levado para Restinga, era como ser penalizado a viver no isolamento do resto do mundo por ser pobre e aguardar a morte por solidão e falta de emprego e assistência medica. Não existiam supermercados, farmácias, postos de saúde e o transporte publico precário,  em três turnos, levava mais de uma hora ate o centro da cidade. Muitos moradores da Ilhota, contam que foram expulsos de suas moradias a força, pelos policiais da época, e que na medida que eram retirados, suas moradias iam sendo destruídas pelas maquinas da Prefeitura.
A Ilhota é portanto um lugar que faz parte da historia de Porto Alegre e deve ser preservada na memoria dos gaúchos, como um dos núcleos de formação cultural da cidade.
Até a próxima postagem!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

ROTA CAMINHO DAS NOVAS COLONIAS


Nos dias 23 e 24 de Fevereiro de 2019 eu e a Rô, também guia de turismo, levamos um grupo de pessoas para conhecer a rota caminho das velhas colonias, localizado a 86 km de Porto Alegre e que compreende os municípios de Marata, Brochier, Barão, Salvador do Sul e São Pedro da Serra. 
Lá fomos recebidos pela guia de turismo local, Liane, que nos deu uma aula de história, mostrando cada cantinho das cinco cidades, suas peculiaridades e também  conquistou a todos com sua simpatia, dedicação e profissionalismo. 



O passeio teve contemplação as 2 cascatas, passeio de Dindinho (bondinho puxado por um trator), visitação a lojas de artesanato e de produtos coloniais com degustação, praças, igreja, vinícola com degustação de uvas colhidas diretamente dos parreirais, dois almoços inclusos, sendo que um com comida tipica alemã e um cafe rural de jantar. O pernoite foi num hotel spa maravilhoso no alto da serra, com uma recepção calorosa da rainha da cidade e suas duas princesas, além do café da manhã saborosíssimo. O passeio foi um sucesso, deixando aquele gostinho de... ainda quero mais...




O QUE É A ROTA CAMINHO DAS VELHAS COLONIAS:
A rota foi criada, pelas secretarias municipais de turismo da micro região do Vale do Caí, com o objetivo de resgatar as tradições e a cultura dos povos de imigração alemã, estabelecidos nestas localidades, há mais de 150 anos, mostrando além das belezas naturais, o artesanato, a gastronomia, a arquitetura, a música e os costumes que representam a história desses colonizadores que aqui chegaram na construção do estado.


HISTÓRIA DAS VELHAS COLONIAS:
Nas décadas de 1920 a 1940, a região de colonização alemã experimentou uma redução de terras produtivas disponíveis para a agricultura, devido ao aumento do número de habitantes. Cada família, naquela época, tinha 10 a 15 filhos. Isto fez com que não tivesse terra produtiva para todos, muitos jovens saíram em busca de terras produtivas e férteis em outros estados, como Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul, que passaram a chamar de ?neuen kolonie?, ou Novas Colônias.
Quando estes migrantes retornavam ao Vale do Caí para visitar seus familiares e amigos, passaram a chamar a região de ?weg der alten kolonie?, ou o caminho das velhas colônias.


ROTA TURÍSTICA:
A rota com agendamento prévio, inicia com recepção, no centro de Maratá, pela simpática Liane, Guia de turismo local. De dindinho os visitantes conhecem o Parque Cascata da Vitória, a cascata de Marata, a Trilha Turística, (lindamente arborizada, onde no passado o trem passava), o Parque da Oktoberfest, a Casa do Artesanato.


Posteriormente seguem para Brochier, município colonizado por franceses, onde visitam o Parque Municipal, a Praça, lojas de Artesanato, produtos Coloniais e almoço servido em restaurante no centro da cidade. Brochier começou a ser colonizada por João Honório e Augusto Brochier dois irmão , vindos da França, passaram pelo Peru, Montevidéu e Montenegro, decidindo estabelecer-se às margens de um arroio, à 25 km de Montenegro.
Com o passar do tempo, o arroio e o núcleo populacional que se formou no local receberam o nome dos pioneiros, Brochier. O distrito de Brochier foi criado em 05/05/1873.

Entre tantas atividades,
uma parada para se refrescar, a sombra do Casarão
construído em 1894
na Linha Bonita
em Salvador do Sul.



Após visita-se o município de Salvador do Sul, iniciando pela Linha Stein, na Propriedade da Lizete Stein, que recebe os visitantes com degustação de bolachas caseiras e faz uma demonstração de como se extrair o caldo de cana na moenda e é servido na hora.
Entre uma cidade e outra, o visitante tem contato com a simplicidade do povo rural, a beleza dos campos e vales, que compõe a exuberante mata serrana e seu cheiro peculiar orvalhado que parece entrar na alma.


Ainda nas proximidades da Linha Bonita, ganha-se uma viagem no tempo. O momento emocionante da passagem por um túnel ferroviário. A passagem é feita a pé, ou de micro-ônibus, para que o visitante sinta a energia de estar passando de trem, pelo interior do túnel, que foi escavado na pedra. Momento também de admirar a criatividade da engenharia e de ativar a nossa adrenalina!..
A estação de Linha Bonita foi inaugurada em 1909. Desativada no final dos anos 1970, seus trilhos foram removidos, mas o prédio da estação, ainda está de pé. Esta estrada, ligava Porto Alegre a Caxias do Sul, entre Maratá e Barão, mas hoje pertence a Salvador do Sul.


No centro da cidade de Salvador do Sul, visitam a praça central e recebem um saboroso quindim ou bolachas de Natal, de boas vindas, uma guloseima tradicional entre os colonos alemães. Deliciosa! Visita-se também a Igreja Matriz da cidade, com uma torre erguida em frente, homenageando os três Santos Mártires das Missões.
Seguindo pela BR 470, chegamos a Barão, onde visita-se a Praça dos Símbolos, visualiza-se a estação do trem e a sede da Prefeitura Municipal de Barão, e visitação a Loja/fabrica de Bolsas  de couro Graziele e Malharia Felling.


Retornando pela mesma BR, visita-se São Pedro da Serra, onde respiram a história da igreja construída em 1929, a Praça e o Artesanato Cantinho da Arte, e se o grupo desejar tem opção de café da tarde rural em restaurante no centro da cidade. 
O roteiro poderá ser realizado em um ou dois dias, também pode ser alterado, dependendo do publico e dos atrativos que desejam conhecer.


Assista ao vídeo abaixo:


VALE DA FELICIDADE:
Esta região do Rio Grande do Sul, formada por um grupo de municípios próximos ao leito do Rio Caí, tem este nome em virtude de suas características, que a distinguem do restante do país. Índices como o de pobreza, analfabetismo, saúde e longevidade são semelhantes aos de países de Primeiro Mundo, como a Inglaterra, Canadá e Estados Unidos, associado a um custo de vida reduzido, se comparado ao de outras regiões brasileiras, permitindo que seus habitantes se considerem realmente felizes.


Compõe o Vale da Felicidade os municípios de Alto Feliz, Barão, Bom Princípio, Brochier, Capela Santana, Feliz, Harmonia, Linha Nova, Maratá, Montenegro, Nova Santa Rita, Pareci Novo, Portão, Salvador do Sul, São José do Hortêncio, São José do Sul, São Pedro da Serra, São Sebastião do Caí, São Vendelino, Tupandi, Vale Real, e a maior delas Montenegro, com pouco mais de 62 mil habitantes. Todas elas são pequenas, limpas e organizadas.

Até o próximo passeio!






quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

AS BRUXAS DA ILHA DA PINTADA


As bruxas da Ilha da Pintada, não são de pedra, como as da praia de Itaguaçu em Sta Catarina, são moças que viram velhas e invadem a ilha nas noites e madrugadas de lua cheia, das quintas para as Sextas feiras, assustando seus moradores.

ORIGEM DO NOME DA ILHA:
A Ilha da Pintada é uma das ilhas brasileiras integrantes do Parque Estadual Delta do Jacuí. Faz parte do bairro Arquipélago da cidade de Porto Alegre e seu nome possivelmente se originou por causa do peixe de nome "pintado" que é pescado em abundancia, tanto que o prato típico da ilha é o "pintado ensopado".
Sua população descende de imigrantes açorianos e de ex-escravos africanos, que deixaram traços na cultura local, tais como nas lendas e nas crenças dos atuais ilhéus. Atualmente, a pesca artesanal já não é mais o principal meio de subsistência da ilha e a grande maioria da sua população trabalha e busca seus rendimentos no comércio e nos serviços oferecidos pela proximidade da capital.
Mas uma crença resiste por mais de 3 séculos na Ilha da Pintada em Porto Alegre, uma das 16 do arquipélago da capital. Moradores acreditam que bruxas circulam pelo bairro, nas madrugadas de quinta-feira para sexta-feira, assombrando pessoas nas ruas e em suas casa.


Para proteger a comunidade, mulheres aprenderam o ofício de benzedeiras, e passaram a tradição de geração em geração, ajudando nos males das alergias, mau olhado, quebranto, bruxaria e outros males.
Algumas crianças nascem "embruxadas",diz uma moradora da ilha e apresentam algumas características que levam uma benzedeira a determinar se está ou não embruxada, como manchas roxas espalhadas no corpo, insonia, emagrecimento e dormir com os braços cruzados como se estivesse dentro de um caixão.

BRUXAS E BENZEDEIRAS:
Segundo os moradores, as bruxas em alguns casos são da própria comunidade e são identificadas pelas benzedeiras, dentro do ritual de benzeção, o que faz a gente pensar em alguma relação de co-existência entre elas e se perguntar: Seriam as benzedeiras também bruxas, já que possuem muitas coisas em comum, como o respeito pela natureza, orações e o uso de ervas para a prática de cura?

RECEITA CONTRA BRUXAS:
Para evitar que as bruxas entrem em casa, é preciso um ritual, explica uma das benzedeiras da ilha": Faz-se um símbolo de Salomão e pendura-o numa parede, ou nas janelas do quarto e se coloca uma tesoura aberta embaixo do travesseiro, com uma trouxinha de sal enrolado num pano branco. Isto afasta as bruxas.


SELO DE SALOMÃO:
Representado por dois triângulos entrelaçados, o Selo de Salomão simboliza a transformação dos processos alquímicos e é considerado um selo ocultista, usado na bruxaria, magia negra, alquimia, feitiçaria, astrologia.
O selo de Salomão é assim chamado pelo fato de o anel do rei Salomão ter um anel com esse desenho e que por ele era utilizado como forma de afastar os maus espíritos, simbolizando, assim, a proteção divina. Por isso, acredita-se que esse símbolo tenha poderes mágicos.
Você pode visitar a Ilha da Pintada através de transporte publico:
D 18 Ilha da Pintada- direta e o 718 Ilha da Pintada no terminal Praça Rui Barbosa- Poa.

Até o próximo passeio!

domingo, 3 de fevereiro de 2019

AS BRUXAS PETRIFICADAS DE ITAGUAÇU.


Você conhece a história das bruxas que foram transformadas em pedras, na praia de Itaguaçu - Sta Catarina? Bom, em primeiro lugar, vamos nos localizar, no mapa:.. 💀
Itaguaçu é um bairro nobre do município de Florianópolis, em Santa Catarina, situado na porção continental do município, ao sul, entre os bairros de Coqueiros e Bom Abrigo e a Baía Sul. 
O nome Itaguaçu é de origem tupi e quer dizer "pedra grande", pela junção de itá (pedra) e gûasu (grande). O nome é uma referência a interessantes formações de granito à beira da praia de Itaguaçu e em meio ao mar da Baía Sul, havendo mesmo uma lenda que conta de bruxas que teriam sido petrificadas, dando origem às pedras, uma das quais parece ter um chapéu. 


Também há um conjunto de 6 pedras que formam um tipo de um círculo, com uma sétima pedra no meio, dando a alusão de um ritual satânico.
A Praia do Itaguaçu é mais um daqueles lugares de Florianópolis, que poucos turistas tem a oportunidade de conhecer, já que está no continente e não na ilha, ficando assim mais longe das praias populares e também das praias da moda. Há muitos habitantes da cidade que também nunca estiveram lá ou até nem sabem que o local existe. 
Itaguaçu pode ser acessada rapidamente de carro a partir do centro da cidade, num percurso de apenas 5 km, seguindo as placas de sinalização na direção do bairro Coqueiros. É terceira e última praia da região, bem no final da Rua. Des. Pedro Silva. Quem está sem carro pode ir ao local de ônibus, pegando a linha que leva o nome do bairro. 
A água da praia é infelizmente imprópria para o banho, mas o local é bem agradável para uma boa caminhada e ainda conta com vários restaurantes na orla, para se apreciar a comida local. 
Existe até uma placa no centro da vila, que conta a historia das bruxas petrificadas e que eu reproduzo logo abaixo da foto:.


A LENDA:
Diz a lenda que as bruxas da região queiram fazer uma linda festa aos moldes da alta sociedade.
O local para o encontro festeiro, seria a praia do Itaguaçu, o mais belo cenário da Terra. Todos seriam convidados, os lobisomens, os vampiros e as mulas-sem-cabeça. Os mitos indígenas também compareceram, entre eles estavam os curupiras, os caiporas, os boitatás e muitos outros. Em assembléia, as bruxas decidiram não convidar o diabo pela razão do seu imenso fedor de enxofre e pelas suas atitudes anti-sociais, pois ele exige que todas as bruxas lhe beijem o rabo como forma de firmar seu poder absoluto. A orgia se desenrolava, quando surge de surpresa o diabo que, entre raios e trovões, raivosamente irritado pela atitude marginalizante das bruxas, castiga todos transformando-os em pedras grandes, que até hoje flutuam nas águas do mar verde e azul da praia de Itaguaçu.
Ao que parece, esta criativa historia foi inventada pelo historiador Peninha, no desejo de implementar o turismo no local e o local onde estão as pedras é chamado de Salão de Festas das Bruxas.

Até o próximo passeio! 

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

A COR DA FOME É AMARELA

"A COR DA FOME É AMARELA." Disse certa vez, Carolina Maria de Jesus, uma mulher pobre, negra, favelada, que com seus próprios esforços e sensibilidade, foi capaz de criar seus filhos e ainda perpetuar seu nome, na historia literária do país.
Seu cotidiano de dificuldades na favela, a fez escrever um diário, que virou um livro "Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada", que ganhou o mundo, com um milhão de exemplares e foi traduzida em quatorze línguas, tornando-se um dos livros brasileiros mais conhecidos no exterior.
Uma pergunta que eu me faço, é:
Como um livro desta grandeza e que rodou o mundo, se tornou desconhecido até dos brasileiros, após tantas décadas?



Carolina Maria de Jesus nasceu em 14 de março de 1914, na cidade de Sacramento, em Minas Gerais, numa comunidade rural, de pais negros analfabetos. Era filha ilegítima de um homem casado e foi maltratada durante toda sua infância. Aos sete anos, sua mãe a obrigou a frequentar a escola, depois que a esposa de um rico fazendeiro decidiu pagar seus estudos, mas ela interrompeu o curso no segundo ano, tendo já conseguido aprender a ler e a escrever e desenvolvido o gosto pela leitura.
Em 1937, sua mãe morreu e ela se viu impelida a migrar para a metrópole de São Paulo. Carolina construiu sua própria casa, usando madeira, lata, papelão e qualquer material que pudesse encontrar. Saía todas as noites para coletar papel, a fim de conseguir dinheiro para sustentar a família.
Em 1947, aos 33 anos, desempregada e grávida, Carolina instalou-se na extinta favela do Canindé, na zona norte de São Paulo, num momento em que surgiam na cidade as primeiras favelas. Ao chegar à cidade, conseguiu emprego na casa do notório cardiologista Euryclides de Jesus Zerbini, médico precursor da cirurgia de coração no Brasil, o que permitia a Carolina ler os livros de sua biblioteca nos dias de folga. 
Em 1948, deu à luz seu primeiro filho, João José. Teve ainda mais dois filhos: José Carlos e Vera Eunice, nascidos em 1949 e 1953 respectivamente.
Ao mesmo tempo em que trabalhava como catadora, registrava o cotidiano da comunidade onde morava, nos cadernos que encontrava no material que recolhia, que somavam mais de vinte. Um destes cadernos, um diário que havia começado em 1955, deu origem ao seu livro mais famoso, Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada, publicado em 1960.
O livro veio a publico, quando o jornalista Audalio Dantas, visitando a favela, conhece Carolina e fica encantado com seu diário, promovendo e auxiliando na publicação da obra.
Quarto de Desejo foi um sucesso de vendas no Brasil e no exterior, levantando até suspeitas acerca de sua composição, ou seja que o próprio jornalista teria forjado a obra para alcançar sucesso comercial
Publicado em 1960, a tiragem inicial de Quarto de Despejo foi de dez mil exemplares e esgotou-se em uma semana. Desde sua publicação, a obra vendeu mais de um milhão de exemplares e foi traduzida em quatorze línguas, tornando-se um dos livros brasileiros mais conhecidos no exterior. Depois da publicação, Carolina teve de lidar com a raiva e inveja de seus vizinhos, que a acusaram de ter colocado suas vidas no livro sem autorização.
Em março de 1961, uma reportagem afirmou que a publicação de Quarto de Despejo havia rendido a Carolina seis milhões de cruzeiros em direitos autorais, contudo a quantia exata variava, de acordo com a reportagem.
Depois da publicação de Quarto de Despejo, Carolina mudou-se para Santana, bairro de classe média, na zona norte de São Paulo. 
Em 1963, publicou, por conta própria, o romance Pedaços de Fome e o livro Provérbios. Posteriormente, em 1969, Carolina acumulou dinheiro suficiente para se mudar de Santana para Parelheiros, uma região árida da Zona Sul de São Paulo, no pé de uma colina. Próxima de casas ricas, local de algumas das mais pobres habitações do subúrbio da cidade, com impostos e preços menores, era lá que Carolina esperava encontrar solitude. 

UMA TELA DE VAN GOGH.

Hoje, 23 de Dezembro de 2018, visitei minha mãe. Liguei cedo pra ela, avisando que iria até a sua casa, para vê-la e levar seu presente de Natal, uma blusa de linhas coloridas que tenho certeza que ela vai gostar...Os traços e o colorido da blusa, me lembram uma tela de Van Gogh.
Depois do almoço, ficamos sentados e cantarolando algumas musicas, lembrando de filmes antigos e de alguns fatos do passado que nos marcou na vida, momento em que ela aproveitou para elogiar a minha memória, que penso não estar tão boa assim, pois esqueço das coisas mais recentes que faço, com muita facilidade. Na verdade, nada em mim está tão bem, quanto parece, pequenas revoluções eclodem em mim a todo o momento, buscando pelo menos uma mentira que se ajuste ao injustificável.
Os mares não estão tão azuis, como as praças não estão tão verdes, mesmo com esforços para que haja mudanças no olhar, prelúdio de atitudes positivas a serem restabelecidas, sabe-se lá quando. Será que haverá tempo para vermos qualquer mudança?
Sublime ter uma família e puder trocar emoções com uma mãe. Nestes momentos é que eu me sinto, tão filho da mãe, tão filho da terra, tão filho da puta às vezes.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...