quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

AS BRUXAS DA ILHA DA PINTADA


As bruxas da Ilha da Pintada, não são de pedra, como as da praia de Itaguaçu em Sta Catarina, são moças que viram velhas e invadem a ilha nas noites e madrugadas de lua cheia, das quintas para as Sextas feiras, assustando seus moradores.

ORIGEM DO NOME DA ILHA:
A Ilha da Pintada é uma das ilhas brasileiras integrantes do Parque Estadual Delta do Jacuí. Faz parte do bairro Arquipélago da cidade de Porto Alegre e seu nome possivelmente se originou por causa do peixe de nome "pintado" que é pescado em abundancia, tanto que o prato típico da ilha é o "pintado ensopado".
Sua população descende de imigrantes açorianos e de ex-escravos africanos, que deixaram traços na cultura local, tais como nas lendas e nas crenças dos atuais ilhéus. Atualmente, a pesca artesanal já não é mais o principal meio de subsistência da ilha e a grande maioria da sua população trabalha e busca seus rendimentos no comércio e nos serviços oferecidos pela proximidade da capital.
Mas uma crença resiste por mais de 3 séculos na Ilha da Pintada em Porto Alegre, uma das 16 do arquipélago da capital. Moradores acreditam que bruxas circulam pelo bairro, nas madrugadas de quinta-feira para sexta-feira, assombrando pessoas nas ruas e em suas casa.


Para proteger a comunidade, mulheres aprenderam o ofício de benzedeiras, e passaram a tradição de geração em geração, ajudando nos males das alergias, mau olhado, quebranto, bruxaria e outros males.
Algumas crianças nascem "embruxadas",diz uma moradora da ilha e apresentam algumas características que levam uma benzedeira a determinar se está ou não embruxada, como manchas roxas espalhadas no corpo, insonia, emagrecimento e dormir com os braços cruzados como se estivesse dentro de um caixão.

BRUXAS E BENZEDEIRAS:
Segundo os moradores, as bruxas em alguns casos são da própria comunidade e são identificadas pelas benzedeiras, dentro do ritual de benzeção, o que faz a gente pensar em alguma relação de co-existência entre elas e se perguntar: Seriam as benzedeiras também bruxas, já que possuem muitas coisas em comum, como o respeito pela natureza, orações e o uso de ervas para a prática de cura?

RECEITA CONTRA BRUXAS:
Para evitar que as bruxas entrem em casa, é preciso um ritual, explica uma das benzedeiras da ilha": Faz-se um símbolo de Salomão e pendura-o numa parede, ou nas janelas do quarto e se coloca uma tesoura aberta embaixo do travesseiro, com uma trouxinha de sal enrolado num pano branco. Isto afasta as bruxas.


SELO DE SALOMÃO:
Representado por dois triângulos entrelaçados, o Selo de Salomão simboliza a transformação dos processos alquímicos e é considerado um selo ocultista, usado na bruxaria, magia negra, alquimia, feitiçaria, astrologia.
O selo de Salomão é assim chamado pelo fato de o anel do rei Salomão ter um anel com esse desenho e que por ele era utilizado como forma de afastar os maus espíritos, simbolizando, assim, a proteção divina. Por isso, acredita-se que esse símbolo tenha poderes mágicos.
Você pode visitar a Ilha da Pintada através de transporte publico:
D 18 Ilha da Pintada- direta e o 718 Ilha da Pintada no terminal Praça Rui Barbosa- Poa.

Até o próximo passeio!

domingo, 3 de fevereiro de 2019

AS BRUXAS PETRIFICADAS DE ITAGUAÇU.


Você conhece a história das bruxas que foram transformadas em pedras, na praia de Itaguaçu - Sta Catarina? Bom, em primeiro lugar, vamos nos localizar, no mapa:.. 💀
Itaguaçu é um bairro nobre do município de Florianópolis, em Santa Catarina, situado na porção continental do município, ao sul, entre os bairros de Coqueiros e Bom Abrigo e a Baía Sul. 
O nome Itaguaçu é de origem tupi e quer dizer "pedra grande", pela junção de itá (pedra) e gûasu (grande). O nome é uma referência a interessantes formações de granito à beira da praia de Itaguaçu e em meio ao mar da Baía Sul, havendo mesmo uma lenda que conta de bruxas que teriam sido petrificadas, dando origem às pedras, uma das quais parece ter um chapéu. 


Também há um conjunto de 6 pedras que formam um tipo de um círculo, com uma sétima pedra no meio, dando a alusão de um ritual satânico.
A Praia do Itaguaçu é mais um daqueles lugares de Florianópolis, que poucos turistas tem a oportunidade de conhecer, já que está no continente e não na ilha, ficando assim mais longe das praias populares e também das praias da moda. Há muitos habitantes da cidade que também nunca estiveram lá ou até nem sabem que o local existe. 
Itaguaçu pode ser acessada rapidamente de carro a partir do centro da cidade, num percurso de apenas 5 km, seguindo as placas de sinalização na direção do bairro Coqueiros. É terceira e última praia da região, bem no final da Rua. Des. Pedro Silva. Quem está sem carro pode ir ao local de ônibus, pegando a linha que leva o nome do bairro. 
A água da praia é infelizmente imprópria para o banho, mas o local é bem agradável para uma boa caminhada e ainda conta com vários restaurantes na orla, para se apreciar a comida local. 
Existe até uma placa no centro da vila, que conta a historia das bruxas petrificadas e que eu reproduzo logo abaixo da foto:.


A LENDA:
Diz a lenda que as bruxas da região queiram fazer uma linda festa aos moldes da alta sociedade.
O local para o encontro festeiro, seria a praia do Itaguaçu, o mais belo cenário da Terra. Todos seriam convidados, os lobisomens, os vampiros e as mulas-sem-cabeça. Os mitos indígenas também compareceram, entre eles estavam os curupiras, os caiporas, os boitatás e muitos outros. Em assembléia, as bruxas decidiram não convidar o diabo pela razão do seu imenso fedor de enxofre e pelas suas atitudes anti-sociais, pois ele exige que todas as bruxas lhe beijem o rabo como forma de firmar seu poder absoluto. A orgia se desenrolava, quando surge de surpresa o diabo que, entre raios e trovões, raivosamente irritado pela atitude marginalizante das bruxas, castiga todos transformando-os em pedras grandes, que até hoje flutuam nas águas do mar verde e azul da praia de Itaguaçu.
Ao que parece, esta criativa historia foi inventada pelo historiador Peninha, no desejo de implementar o turismo no local e o local onde estão as pedras é chamado de Salão de Festas das Bruxas.

Até o próximo passeio! 

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

A COR DA FOME É AMARELA

"A COR DA FOME É AMARELA." Disse certa vez, Carolina Maria de Jesus, uma mulher pobre, negra, favelada, que com seus próprios esforços e sensibilidade, foi capaz de criar seus filhos e ainda perpetuar seu nome, na historia literária do país.
Seu cotidiano de dificuldades na favela, a fez escrever um diário, que virou um livro "Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada", que ganhou o mundo, com um milhão de exemplares e foi traduzida em quatorze línguas, tornando-se um dos livros brasileiros mais conhecidos no exterior.
Uma pergunta que eu me faço, é:
Como um livro desta grandeza e que rodou o mundo, se tornou desconhecido até dos brasileiros, após tantas décadas?



Carolina Maria de Jesus nasceu em 14 de março de 1914, na cidade de Sacramento, em Minas Gerais, numa comunidade rural, de pais negros analfabetos. Era filha ilegítima de um homem casado e foi maltratada durante toda sua infância. Aos sete anos, sua mãe a obrigou a frequentar a escola, depois que a esposa de um rico fazendeiro decidiu pagar seus estudos, mas ela interrompeu o curso no segundo ano, tendo já conseguido aprender a ler e a escrever e desenvolvido o gosto pela leitura.
Em 1937, sua mãe morreu e ela se viu impelida a migrar para a metrópole de São Paulo. Carolina construiu sua própria casa, usando madeira, lata, papelão e qualquer material que pudesse encontrar. Saía todas as noites para coletar papel, a fim de conseguir dinheiro para sustentar a família.
Em 1947, aos 33 anos, desempregada e grávida, Carolina instalou-se na extinta favela do Canindé, na zona norte de São Paulo, num momento em que surgiam na cidade as primeiras favelas. Ao chegar à cidade, conseguiu emprego na casa do notório cardiologista Euryclides de Jesus Zerbini, médico precursor da cirurgia de coração no Brasil, o que permitia a Carolina ler os livros de sua biblioteca nos dias de folga. 
Em 1948, deu à luz seu primeiro filho, João José. Teve ainda mais dois filhos: José Carlos e Vera Eunice, nascidos em 1949 e 1953 respectivamente.
Ao mesmo tempo em que trabalhava como catadora, registrava o cotidiano da comunidade onde morava, nos cadernos que encontrava no material que recolhia, que somavam mais de vinte. Um destes cadernos, um diário que havia começado em 1955, deu origem ao seu livro mais famoso, Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada, publicado em 1960.
O livro veio a publico, quando o jornalista Audalio Dantas, visitando a favela, conhece Carolina e fica encantado com seu diário, promovendo e auxiliando na publicação da obra.
Quarto de Desejo foi um sucesso de vendas no Brasil e no exterior, levantando até suspeitas acerca de sua composição, ou seja que o próprio jornalista teria forjado a obra para alcançar sucesso comercial
Publicado em 1960, a tiragem inicial de Quarto de Despejo foi de dez mil exemplares e esgotou-se em uma semana. Desde sua publicação, a obra vendeu mais de um milhão de exemplares e foi traduzida em quatorze línguas, tornando-se um dos livros brasileiros mais conhecidos no exterior. Depois da publicação, Carolina teve de lidar com a raiva e inveja de seus vizinhos, que a acusaram de ter colocado suas vidas no livro sem autorização.
Em março de 1961, uma reportagem afirmou que a publicação de Quarto de Despejo havia rendido a Carolina seis milhões de cruzeiros em direitos autorais, contudo a quantia exata variava, de acordo com a reportagem.
Depois da publicação de Quarto de Despejo, Carolina mudou-se para Santana, bairro de classe média, na zona norte de São Paulo. 
Em 1963, publicou, por conta própria, o romance Pedaços de Fome e o livro Provérbios. Posteriormente, em 1969, Carolina acumulou dinheiro suficiente para se mudar de Santana para Parelheiros, uma região árida da Zona Sul de São Paulo, no pé de uma colina. Próxima de casas ricas, local de algumas das mais pobres habitações do subúrbio da cidade, com impostos e preços menores, era lá que Carolina esperava encontrar solitude. 

UMA TELA DE VAN GOGH.

Hoje, 23 de Dezembro de 2018, visitei minha mãe. Liguei cedo pra ela, avisando que iria até a sua casa, para vê-la e levar seu presente de Natal, uma blusa de linhas coloridas que tenho certeza que ela vai gostar...Os traços e o colorido da blusa, me lembram uma tela de Van Gogh.
Depois do almoço, ficamos sentados e cantarolando algumas musicas, lembrando de filmes antigos e de alguns fatos do passado que nos marcou na vida, momento em que ela aproveitou para elogiar a minha memória, que penso não estar tão boa assim, pois esqueço das coisas mais recentes que faço, com muita facilidade. Na verdade, nada em mim está tão bem, quanto parece, pequenas revoluções eclodem em mim a todo o momento, buscando pelo menos uma mentira que se ajuste ao injustificável.
Os mares não estão tão azuis, como as praças não estão tão verdes, mesmo com esforços para que haja mudanças em nosso olhar, prelúdio de atitudes positivas a serem restabelecidas, sabe-se lá quando. Será que haverá tempo para vermos qualquer mudança?
Sublime ter uma família e puder trocar emoções com uma mãe. Nestes momentos é que eu me sinto, tão filho da mãe, tão filho da terra, tão filho da puta.

domingo, 30 de dezembro de 2018

A ILHA DE CAPRI.


Durante 10 anos, o esquivo imperador Tibério governou o Império Romano, isolado neste enclave rochoso, após tomar-se de amores por sua inacessibilidade. Desde então, esta ilha na costa sudoeste da Itália, cativa todos que a visitam-na por sua beleza natural estupenda.


Dá pra imaginar um mar de cor azul turquesa profundo, tão profundo que parece ser inacreditável diante dos olhos?.. Pois assim são as águas do mar Tirreno, que banham a Ilha de Capri,  no golfo de Nápoles, na região da Campânia na Itália.
Mar desta cor, eu só vi no Caribe, porem de um tom azul mais suave e igualmente lindo em suas particularidade, se me faço entender!..
A ilha de Capri é pequena e dividida em duas vilas: Capri e Anacapri e dois portos, Marina Piccola e Marina Grande de onde partem os barcos que circulam a ilha.
Capri foi descoberta pelos romanos em 29 a.C e foi residencia de alguns imperadores como Tibério que lá construiu sua vila de descanso.


Também tem duas fábricas de perfumes cuja a essência, são retiradas de flores típicas, como o limão e a laranja. Uma dessas fábricas e a Carthusia, uma antiga casa, com produção de perfumes limitada, que faz o centro da vila ter um aroma de flores impregnado no ar.


Como Capri é uma ilha, a forma de se chegar até ela é de barco, à partir de Nápoles, terceira maior cidade italiana, que provocou mal impressão inicial no grupo. A cidade teve sérios problemas com criminalidade e depois com o lixo. Achamos meio desleixada. As outras cidades que dão acesso é Sorrento, Positano e ilha Ischia.


Em Nápoles existem 2 portos: Calata Porta di Massa com barcos lentos para Capri com duração de (1h 20m). Molo Beverello, com barcos rápidos para Capri, com duração de (50min.) A diferença está no preço, que quase dobra de valor e no tempo de viagem que é de 30 minutos mais rápido. Para sair de Capri, basta comprar o ticket na Marina Grande, no porto.



Os meios de transporte mais usados são três: ônibus, funicular (uma especie de trenzinho que te leva diretamente até a Piazzetta), taxi  e... a pé! 
Se optar conhecer a ilha a pé, vá com um par de sapatos confortáveis e muito folego para enfrentar as ruas estreita e sinuosas. No centro de Capri é possível circular exclusivamente a pé e normalmente uma caminhada é o modo mais rápido para ir de um lugar para o outro, visitando lojas de artesanato, roupas e souvenires.
Se sua opção for por táxi, eles são estilosos (conversíveis) e com 7 lugares. Quem quer fazer um tour completo da ilha de Capri pode negociar os preços que variam de acordo com a estação do ano, a duração do passeio e o roteiro.



PASSEIO DE BARCO NA ILHA:

Existem 02 passeios de barco ao redor da Ilha de Capri: Com ou sem entrada na Gruta Azul. O primeiro dura aproximadamente duas horas e inclui uma visita a Gruta a bordo de um barquinho a remo. O segundo sem entrada na gruta, com duração de 1 hora, dá um giro completo em volta da ilha, enquanto um guia vai falando e mostrando alguns atrativos naturais.

OUTRAS ATRAÇÕES TURÍSTICAS:
O castelo Barbarossa em Monte Solaro, construído entre os séculos X e XII para proteger a ilha das incursões dos sarracenos;
A igreja barroca de San Michele Arcangelo(1698-1719) com o piso de azulejos que representa Adão e Eva no jardim do Éden.

Até o próximo destino!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

ZÉ DO CAROÇO.

Zé do Caroço – José Mendes da Silva – veio da região Nordeste para o Rio de Janeiro, mais precisamente, para o bairro de Vila Isabel, especificamente no Morro do Pau da Bandeira, comunidade vizinha ao Morro dos Macacos depois de se aposentar da policia civil, devido a um problema de saúde que o conferia caroços em todas as juntas do corpo. Por causa do tal problema nas juntas – foi dono de um bar na comunidade, onde iniciou o tal do serviço de auto-falante, que seria uma espécie de precursor das atuais rádios-comunitárias.
O auto-falante na lage de sua casa, no morro, se tornou famoso por alguns fatores que faziam de Zé do Caroço um líder comunitário no melhor sentido da palavra. Em seu auto-falante, ele prestava todo tipo de noticia que pudesse ajudar a melhorar a vida na comunidade. Desde preços atrativos na feira, até serviços de ação comunitária.

E o mais interessante é que esse serviço podia vir a qualquer hora que Zé achasse importante repassar suas novidades ao morro, mas seu horário preferido era no horário da novela, horário que as famílias se reuniam diante da TV, momento em que a TV estava tentando iludir o cidadão com um mundo fictício que não condizia com as dificuldades da maioria do povo.
Nesse contexto, Zé se tornou um herói para o Pau da Bandeira, mas um incômodo para a esposa de um militar que, em plena ditadura, queixava que a voz do morro vizinho atrapalhava sua novela. Essa história chegou aos ouvidos de Leci Brandão que bolou a letra em cima de uma melodia que já se desenhava na sua ‘inspiração’. Em 1978 Leci Brandão tentou gravar, sendo censurada pela gravadora Polydor (Polygram/Philips. Rescindindo com a empresa, migrou para a Copacabana Records, onde só conseguiu gravar em 1985. 
Zé do Caroço faleceu no início da década de 2000, tendo tido a oportunidade de ver seu nome e sua luta eternizados num dos maiores sambas de todos.

O serviço de alto-falante do Pau da Bandeira funcionou de 1970 a 1980 e é hoje uma rádio comunitária, mas não foram encontrados maiores dados sobre a situação atual. Há um documentário intitulado “A Voz do Pau da Bandeira” , feito em iPhone, que entrevistou dois filhos de Zé do Caroço e conta um pouco dessa história:

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

DE POMBOS E DE GATOS...


Retomando o assunto sobre pombos, já postei em outra oportunidade que não gosto deles. Parecem-me sujos, insistentes, atrevidos e com aquele som que emitem parecendo mal agouro, olhinhos vermelhos e misteriosos... Por aqui onde eu moro, parece ter centenas deles, intermináveis colonias sobre os telhados branquicentos de seus cocôs ácidos. 
Desconfio que devem planejar alguma invasão contra nos seres humanos e que algum dia nos atacarão impiedosamente, na conquista de mais espaço para a sua prole! 
Que me perdoem os seus defensores, mas para que servem exatamente os pombos?
Agora uma deles me vigia do telhado da casa do vizinho!...Que paranoia minha!..

Deus sabe que, entre gatos e pombos, eu sou francamente pela primeira espécie. Acho os pombos um povo horrivelmente burguês, com o seu ar bem-disposto e contente da vida, sem falar na baixeza de certas características de sua condição, qual seja a de, eventualmente, se entredevorarem quando engaiolados.
Vinicius de Moraes

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...