segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

QUEM TEM MEDO DE PABLO VITTAR?


Irritado eu?.. Por que eu não seria mais um entre centenas, talvez milhares, numa sociedade cheia de juízes, de mentores, de filósofos, psicanalistas, de cientistas políticos online, de donos da verdade absoluta que tem a resposta na ponta dos dedos para arrumar o mundo, que tem a chave para a felicidade e do bem viver? 
De gente, por exemplo, que perde seu tempo falando mal de Pablo Vittar nas redes e de suas performances ditas “sem talento”, tentando construir-se de um status critico de intelectualidade e bom gosto, que não possuem, fazendo aumentar cada vez mais o marketing do Drague Queen que enche os bolsos de dinheiro e dos empresários da mídia que o apoiam?
Sabe aquela frase: “Falem mal, mas falem de mim!..” Então?
Fico irritado sim, porque não absorvo estas novidades, ditas por muitos de "bizarras", como uma ameaçada pessoal a minha integridade moral, intelectual e social, mas fico P da vida sim, com as mazelas construídas para gerar  discussões negativas que incitam o ódio e afomentam a discriminação.
Pablo Vittar, assim como Marília Mendonça, Preta Gil e tantos outros, não me representam por que não falam a minha língua e nem fazem parte do meu repertório emocional; portanto quando os encontro por acaso, através do radio ou da televisão, troco de canal e penso que tem gente que gosta e daí!.



segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

RESTAURANTE-HOTEL TOFFOLO.

E vieram dizer-nos que não havia jantar. 
Como se não houvesse outras fomes 
e outros alimentos. 
Como se a cidade não nos servisse o seu pão 
de nuvens. 
Não, hoteleiro, nosso repasto é interior
e só pretendemos a mesa. 
Comeríamos a mesa, se no-lo ordenassem as Escrituras. 
Tudo se come, tudo se comunica, 
tudo, no coração, é ceia. 
Carlos Drummond De Andrade



O Bar Restaurante e Hotel Toffolo em Ouro Preto, é destes lugares intimistas, que te convidam para um passeio no passado. Portas e janelas de um azul colonial vibrante, moveis antigos de madeira escura, meia luz e uma simplicidade, que reporta para uma taverna do seculo passado. Um garçom atencioso e educado, uma senhora que incansavelmente se mantém de pé atrás de um balcão, coordenando tudo a volta, com a voz mansa e um sorriso que esbanja bom humor e delicadeza. 


Dona Gracinda Toffolo supervisiona com espantosa energia o estabelecimento que está com a família a mais de um séculos. A propriedade é o primeiro hotel-bar da cidade de Ouro Preto, já existente há 114 anos e nele hospedou os escritores Manuel Bandeira e Carlos Drummond Andrade autor do poema que postei no inicio da página.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ESCADARIA LADRILHAR.


Então, quem já ouviu falar no Projeto Ladrilhar? Eu não conhecia, ate ler uma pequena nota no Jornal Diário Gaúcho, que caiu nas minhas mãos, não lembro como, num dia em que eu estava trabalhando e, me chamou a atenção e curiosidade.
O Projeto Ladrilhar foi uma ação de moradores do Bairro Jardim Carvalho, na zona leste de Porto Alegre, estimulando os conceitos de cidadania e empoderamento, para demonstrar que a união faz a força e é fundamental, podendo modificar um espaço público e seus conceitos. 
Localizada na Rua Professor Antonio Peyronton Louzada S/N no bairro Jardim Carvalho em Porto Alegre, uma escadaria antes, desconhecida, perigosa, intransitável e abandonada por mais de 50 anos passou a ser não só um atrativo turístico, mas a prova de empenho e força de seus moradores, que juntos, através de mutirões, lutaram por um objetivo comum: Revitaliza-la, e assim, mudar seus conceitos sociais, na periferia da cidade.


A ideia surgiu, do idealismo de uma moradora, a psicologa Claudia Coelho de 46 anos, que com apoio dos vizinhos, transformou a escadaria de 88 degraus, antes uma rota de fuga de assaltantes e ponto de encontro de usuários de drogas, num orgulho para o bairro e exemplo para a cidade, a ser seguido como um exemplo.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

LÍNGUA PINTADA

Um copo de suco, sobre a mesa.
Era só o que ele gostava de beber.
Matar a sede, adoçando a boca.
Se deliciar.
Manchar a língua de vermelho. 
Deixa-la meio esquisita.
Feito um artista de Circo.
Ou como a língua do Mick Jagger.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

CANÇÃO IX



Tenho meditado e sofrido
Irmanada com esse corpo
E seu aquático jazigo

Pensando

Que se a mim não me deram
Esplêndida beleza
Deram-me a garganta
Esplandecida: palavra de ouro
A canção imantada
O sumarento gozo de cantar
Iluminada, ungida.

E te assustas do meu canto.
Tendo-me a mim
Preexistida e exata

Apenas tu, dionísio, é que recusas
Ariana suspensa nas suas águas.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

NÃO ERA DESTE MUNDO

Um corpo se juntou a o meu, na madrugada.
Deitou na minha cama e me abraçou do nada. 
Estava escuro e eu não quis me virar.
Não quis verificar.
Fiquei imóvel.
De olhos fechados.
Calado.
Coração acelerado.
Assustado.
Que desafio tão complicado.
Não quis saber quem se encostou em mim
Tentando me aquecer. 
Me envolver.
Fiquei ali parado.
Apavorado.
Asfixiado.
Pensando que aquele corpo
 não fosse deste mundo.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...