segunda-feira, 19 de outubro de 2015

VALE DO QUILOMBO E LINHA 28 EM GRAMADO.

Neste domingo, 18/10/2015, fui visitar com uma amiga (Rosane), o vale do Quilombo e a Linha 28 em Gramado. Área rural, que possibilita o contato do visitante com toda a exuberância e beleza dos morros da mata Atlântica, cascatas e construções dos antigos imigrantes instalados naquela região. O passeio não poderia ter sido melhor.
Acompanhe aqui!


Quem já visitou Gramado, deve ter parado em algum momento naquele mirante da Avenida das Hortênsias, próximo da Aldeia do Papai Noel, e se encantado com a vista proporcionada, lá de cima, descortinando um vale, ha 850 metros de altitude.
Pois este vale, chamado Quilombo,  provém de um grande número de negros que eram escravos das fazendas da Serra e redondezas, que ao serem libertados, estabeleceram-se naquela região. Dizem que tempos atrás, era comum se ouvir de longe, a batida de tambores em seus batuques e festejos, que posteriormente se espalharam por outras regiões mais distantes.


O nome da cidade está relacionado ao seu passado, quando servia de passagem para tropeiros que tocavam o gado pelos campos de cima da Serra, no fim do século XIX. E para quem tem curiosidade como eu, o nome da cidade de Gramado está ligado a duas hipóteses: 
  1. Ao chegarem no topo da Serra, tanto tropeiros quanto imigrantes encontravam um pequeno campo de grama macia e verde que servia de repouso e revigorava suas forças. Este gramado, segundo alguns, foi responsável pelo batismo da cidade. 
  2. Há outros que acreditam que a origem do nome da cidade se deva ao acesso do Vale dos Sinos à Serra, pela Serra Grande, que inspirava muito cuidado na travessia e era chamado de Gramado.
Esta região do Vale do Quilombo,, dá a oportunidade dos vistantes conhecerem uma Gramado mais rural e com vistas belíssimas, para quem aprecia passeios contemplativos e históricos, observando paisagens paradisíacas e vivenciando o dia a dia de famílias de descendência italiana, que contam e mostram suas historias, tradições, costumes, através do manejo com animais e a terra.


Seguindo a Avenida das Hortênsias, no sentido Gramado-Canela, (na esquina da fabrica de Chocolate Prawer e o posto da gasolina Shell),  descendo a estrada de chão a direita já é possível perceber o que a natureza guarda para os seus visitantes. Veja o mapa no final da postagem.
São paisagens de inacreditável beleza e dignas de cartão postal em meio a natureza intocada e preservada. A trilha pode ser feita à pé (para quem tem fôlego), ou de carro, pois são uns 12 quilômetros de distância, onde se pode visitar:

A IGREJA SAN VALENTIN:
Toda construída em madeira, que nos remete aos tempos da colonização italiana. A o que parece a igreja ainda funciona para alguns eventos, pois encontramos restos de grão de arroz em sua escada de entrada. E para provar que não estou inventando, está aí a foto!




















ECO PARQUE SPERRY:
Trata-se de uma propriedade de 20 hectares de mata atlântica, dedicado  a atividades de preservação ambiental, aberta a visitação, onde é possível o contato com a natureza e realizar trilhas de baixa dificuldade em mais ou menos uma hora de caminhada.




As trilhas ecológicas são sinalizadas com placas explicativas, dando acesso a uma cascata e três cachoeiras, sendo a Cachoeira da Usina a maior de todas, com 45 metros de queda d'água.
Um mirante construído no meio da trilha dá acesso a visualização da Cascata do Trombão e a possibilidade de sentar para descansar tirar fotos e depois seguir a trilha que leva as outras quedas d'água.



RESTAURANTE BÊRGA MÓTTA:
No Ecoparque Sperry fica o Restaurante Bêrga Mótta, comandado pelos chefs Guilherme Sperry e Tatiane Milanês. Não chegamos a tempo de experimentar o almoço, mas o ambiente é acolhedor e decorado com muito bom gosto. Grandes cortinas de vidro, fazem a integração do ambiente com a natureza, dando a sensação de que estamos fazendo as refeições dentro da mata nativa.


Nas trilhas em volta do restaurante, você encontra pequenas pontes que cruzam os braços de rios turbulentos e que formam mais adiante belas cascatas. O restaurante ainda conta com uma orta em seu patio, onde são colhidos algum produtos orgânicos, utilizados no preparo das refeições.



FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE:
De terça-feira a domingo das 9h às 17h
Aberto durante todo ano.
Restaurante Bêrga Mótta aberto aos sábados, domingos e feriados das 12:00 às 15:00.
Valor R$ 55,00 (isenta o pagamento do ingresso)
Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
Reservas para grupos acima de 10 pessoas pelo fone 54 9625 9854.

INGRESSOS NO ECO PARQUE:
Adulto: R$ 12,00
Crianças de seis a doze anos: R$ 6,00
Telefones:
54 9629 8765

CACHAÇARIA VALE DO QUILOMBO:
Seguindo viagem pela estrada sinuosa e de terra, encontramos a cachaçaria de seu Romeu, que a fabrica a muitos anos, em sua casa. Nos contou também da sua expectativa e esperança de que o asfalto chegue até a Linha 28, como na Linha Bonita, o que evidentemente lhe favorecerá na questão turística e econômica.
Nos falou também, que haviam muitas casas centenárias na região e que foram destruídas por herdeiros, que desconheciam a importância da preservação cultural. Nos fundos da Cachaçaria de seu Romeu, existe um pequeno lago, onde marrecos nadam tranquilos e galinham desfilam livremente pelo patio, como deve ser a realidade do dia a dia, dos que vivem no campo, talhando sua própria sobrevivência e memória cultural.
Até o próximo passeio!



Nosso próximo passeio já programado, será a Linha Bonita, também no interior do Gramado. Aguardem!..


MAPA ABAIXO, DE COMO CHEGAR NO VALE DO QUILOMBO E LINHA 28 EM GRAMADO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você pode fazer seu comentário clicando sobre o título da postagem onde será direcionado para Conversa Fiada, com espaço para a publicação da sua opinião. Ela será acolhida com atenção e carinho e sempre que possível respondidas.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...