terça-feira, 9 de agosto de 2016

NOSSO TUDO.


Fiquei pensando na dificuldade de nos mostrarmos por inteiro, mostrar nosso tudo, o que somos de verdade, como pensamos e agimos, nossos defeitos e virtudes, nossos fracassos sem sermos banalizados, caçoados, enfim... Eu me pergunto, se apostarmos na franqueza como um diligente da verdade, da honestidade, seria um passo para a liberdade ou arrependimentos? Será que tudo o que escrevemos num blog, por exemplo, é capaz de nos definir, mostrar genuinamente os mistérios de que somos feitos, ou é melhor se calar, fingir ser de palha, evitando assim, ser esmagados pela trupe dos iguais e de maior quantidade? Até quando?
Um cara importante disse, que quando se é franco sobre nós mesmos, rompemos paradigmas e isso quebra o gelo do entendimento e aí você está livre para ser franco sobre tudo e isso é socialmente útil no sentido da aproximação das diferenças. (Allen Ginsberg).
Uma colega de viagem, dona de um blog chamado "Olha seu Psicanalista" descreve num post o seguinte texto:
"Sabe seu psicanalista? As vezes eu tenho um tiquinho de medo. Medo não de nada grave. Medo de coisa simples. Coisa boba. De gente que se acha maior do que é. Meu medo (e é um medo terrível) é que as pessoas leiam esse blog pelo lado errado. Pelo post errado. Aquele que eu escrevi quando tava de saco cheio. Quando dormi com a bunda destapada. Que escrevi só por escrever".
E isto é uma verdade, somos guiados pelo medo. Medo de não sermos compreendidos, de sermos mal interpretados, medo de sermos nós mesmos e isto nos tira a chance da franqueza, por que é mais fácil sermos mentirosos com holofotes ligados. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você pode fazer seu comentário clicando sobre o título da postagem onde será direcionado para Conversa Fiada, com espaço para a publicação da sua opinião. Ela será acolhida com atenção e carinho e sempre que possível respondidas.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...