segunda-feira, 8 de agosto de 2016

DOENÇA DO MEDO E DA DESUMANIDADE.

Semana passada vi do outro lado da calçada uma mulher que puxava um menino ensanguentado, quase de arrasto. Ele teria sido agredido, atropelado?.. Mas antes que eu tentasse uma interferência pacifica, eles sumiram numa esquina, sem deixar vestígios de pra onde tinham ido. Ja assisti algumas crianças sofrerem punições de seus pais, por terem sido agredidas ou atropeladas. São punidos e humilhados por não terem ainda desenvolvido seus instintos de auto cuidado e defesa. São tratados como pequenos adultos.  Eu não gosto de sair as ruas e ver crianças ensanguentadas e de olhar triste, sendo arrastadas por suas mães, também desesperadas, despreparadas...


Não dá para fechar os olhos e fingir que não estamos vivenciando esta triste realidade. Não dá para desviar a atenção, sem levar flash desta triste imagem de dor para casa, onde construímos castelos imaginários com trancas eletrônicas e senhas complexas, campos de força eletro magnéticos, escudos invisíveis, para nos protegermos de toda a violência que circula entre nós e nas ruas. Que engano nosso! Compramos perfumes importados, banheiras de hidromassagens, ar condicionado com purificadores de ar, lençóis de seda, cãezinhos cheirando a talco Pom Pom, para marcar  o que pensamos ser a nossa diferencia. Sentimos como se a fome e a pobreza, fossem doenças contagiosas espalhadas nos cruzamentos das ruas, nas calçadas, sob as marquises dos edifícios. Trancamos nossas portas, janelas, erguemos os vidros dos nossos carros para evitar aproximações e contágios. Mas já estamos contaminados pela doença silenciosa do medo e da desumanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você pode fazer seu comentário clicando sobre o título da postagem onde será direcionado para Conversa Fiada, com espaço para a publicação da sua opinião. Ela será acolhida com atenção e carinho e sempre que possível respondidas.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...