segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

O bosque de eucalíptos


Então paramos o carro diante do bosque de eucalíptos perfumados e ficamos admirando aquela beleza toda. A grama parecia estar ainda molhada da noite que chovera, e os raios de sol eram pequenos fachos de luz que se esgueiravam entre as folhas, os galhos, os novos ramos de árvores. Pensei em ficar ali em busca de arco-íris, caminhar pelas estreitas estradas de terra, pular pedra sobre pedra com curiosidade de menino e me perder rumo a mim mesmo e a toda aquela beleza.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Domingo de alegria


Acordei cedo já com a maquina de fotografar pendurada no punho em direção á rua. Fotografei árvores, praças, balanços, gangorras, crianças correndo, jogos de futebol de fim de semana. Este domingo pareceu ser de alegria, de trégua para as tensões, de almoço com os sobrinhos, de bagunça na piscina e assim foi. Retornei para casa renovado!





quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

La Barca

_Hã?
_Meu nome é Maria Palma, Maria Palma!
_Tenho setenta e dois anos!
_Não, eu não sei falar de outro jeito, sempre falei gritado assim, desde de pequena!
_Minha mãe ja dizia que eu era louca, por que falava assim gritado!
_Mas eu não sei oque aconteceu comigo!..Acho que caí ali no mercadinho e eles chamaram voces. Eles ficam com medo de mim e então chamam voces!
_Hã?
_Tomei alguns remédios que o doutor receitou, mas parei, me fazia mal. Agora não lembro o nome dos remédios!
_Eu tenho um filho, apenas um filho!
_Tem vinte e três anos, mas ainda não se casou!
_Sim trabalha num super mercado aqui perto!
_Não, não tenho marido, ele morreu faz anos!
_Ele era um carroceiro bebado. Morreu de tanto beber e fumar
_Hã?
_Eu vim de Uruguaiana para ca aos desesseis anos trabalhar em casa de familia. Familia rica!
_Casei com ele ja velha, com vinte e oito anos! Tive só este filho! Filho amado!
_Não eu não gosto de Natal, meu filho saí com os amigos e eu fico sózinha. Não gosto de ficar sózinha. Não gosto do Natal!
_Não meus parentes não me procuram, por que falam que eu sou louca! Por que eu sou a mais pobre da familia, A mais louca!
_Os vizinhos? Eles fogem de mim. Não me convidam porque falam que eu atrapalho as festas, choro e começo a gritar! Mas eu sempre grito assim!
_Hã?
_Não não gosto de musica, não sei cantar!
_É, eu gostava de tango quando era mocinha. Sabia até dançar tango!
_La Barca?
_Sei, o senhor também sabe?
_Hã?
_Tá certo, não sei se me lembro! Então vamos cantar!
_Dicen que la distancia es el olvido
_Pero yo no concibo esta razón

_Porque yo seguiré siendo el cautivo
_De los caprichos de tu corazón
!..
_Acertei? Tem agua ai? Tô com sede!
_Eu gosto desta musica, meu namorado também gostava!
_Já estamos chegando?
_Já? Que bom que estamos chegando, quero ficar com os médicos até o Ano Novo!

*Entrevista com dona Maria Palma, paciente com distúrbio emocional, atendida dia 25 de dezembro por mim e conduzida para um serviço de emergência psiquiátriaca.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal


As vinte e três horas e quarenta e cinco minutos, coloquei o assado e o panetone sobre o puf amarelo da sala. Planejei acender as velas daqui uns quinze minutos, mas descobri que não as tenho. A garrafa de vinho branco gelada servirei na taça há espera do momento da confraternização.
Agora deve ser quase meia noite e desconfio disto porque os rojões estão sendo estourados por todos os cantos da cidade ininterruptamente. Todos saíram aqui no prédio, mas decidi não abandonar o barco. Ficarei em minha companhia, aguardando Papai Noel com seu olhar de bondade e graça, Desejarei neste momento, a todos que amo, um Natal de alegria, paz, reconhecimento, fraternidade, solidariedade e amor.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

MOSTARDAS E O CEMITÉRIO DOS NAVIOS.

O que achas de conhecer uma cidade pacata no interior do estado, com traços arquitetônicos açorianos, uma pequena igreja matriz de nome pomposo, um farol chamado Solidão e com uma infinidade de carcaças de embarcações encalhadas em suas praias, lembrando um verdadeiro cemitério de navios? Conheça neste post, um pouquinho da cidade de Mostardas, cujo  o acesso se dá, pela antiga Estrada do Inferno e cujas as praias menos conhecidas, se encontra até areia movediça.



O convite para conhecer Mostardas, partiu de meu irmão que estava prestando serviço na cidade, abrindo-me esta oportunidade.
Estavam no passeio, além de nós dois, sua esposa Luciana, meu sobrinho Eduardo e minha mãe. 
Mostardas é uma cidade pacata, localizada no istmo entre a Lagoa dos Patos e o oceano Atlântico, a uma latitude de 31º 06' 25" ao sul e a uma longitude de 50º 55' 16" à oeste, no litoral sul do Estado.

COMO CHEGAR:
Partindo de Porto Alegre em direção à Viamão e Cidreira, através da RS -040, até Capivari do Sul, são 90 km onde se entra à direita, pela RS-101 ao lado do posto da policia rodoviária, até Mostardas, mais 120 Km. 
A RS-101 que dá acessoa à cidade, conhecida por Estrada do Inferno (pela dificuldade de trafegar antes de seu asfaltamento), estava coberta de buracos em alguns trechos, dificultando a viagem e dando a impressão de que a distancia era ainda maior, mas depois de alguma doses de paciência, chegamos.

ORIGEM DO NOME:
Não há uma explicação documentada e oficial à respeito; porém, sugere-se que o município tenha recebido este nome, por causa da grande quantidade do vegetal comestível encontrado na região (mostarda). Aventam também, que sobreviventes de um navio francês chamado Mostardas, teriam se abrigado naquela região influenciando a escolha do nome ao município, pelos moradores da época.



IGREJA MATRIZ SÃO LUIZ REI DE FRANÇA:
Situada no centro da cidade em frente à Praça Luis Chaves Martins, a pequena igreja de nome pomposo, foi fundada em 1773, construída em estilo barroco, com altar mor no estilo neoclássico, datado de 1817, é uma das cinco igrejas construídas neste estilo no Brasil.



DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA CIDADE:
Mostardas começou a desenvolver-se com o asfaltamento da Estrada do Inferno (RS 101), o que ocasionou o crescente aumento do turismo e o melhor escoamento da produção de madeira pinus. Destaca-se pelo artesanato de pura lã com os famosos cobertores mostardenses, além da produção de arroz e cebola, na pecuária pelo gado bovino para produção de leite, carne, e ovinos para produção de lã.



TIPO DE ARQUITETURA:
As casas no centro da cidade são modestas e com fortes traços de influencia açoriana, verificado em algumas coberturas com telhas de barro feitas artesanalmente e telhados com mais de uma beira. Na culinária, religiosidade e manifestações folclóricas a forte presença da influencia do negro e do índio. 



NO CAMINHO DO LITORAL:
Mas o que mais me emocionou no passeio, foi a decisão de termos retornado para casa, pela beira da praia, mesmo com o risco do carro atolar na areia. De Mostardas até o mar, nos deslocamos por uma estradinha de terra vermelha, com plantações infindáveis de pinus até se abrir numa paisagem desértica de cômos de areia, planaltos e planices formadas pelo deslocamento da areia com o vento. 



Perdíamos constantemente o rumo da estrada e cuidávamos para não nos afastarmos da rota e atolar o carro nas conhecidas areias movediças do lugar. Parecia não acabar mais o deserto Mostardense e a cada momento, uma paisagem nova nos chamava a atenção, como um bando de flamingos rosas que encontramos pelo caminho, até localizarmos o mar. Nesta região as marés e os ventos mudam sem aviso no município, fazendo existir um verdadeiro cemitério de navios naufragados em suas praias.

CEMITÉRIO DOS NAVIOS:
Como nosso caminho agora era pela beira do mar, nos deparamos com varias revoadas de maçaricos, assim como a triste imagem de tartarugas gigantes, golfinhos mortos, e uma baleia já em estado avançado de decomposição, na beira da praia. A praia é também cheia de carcaças de navios que encalharam no passado formando um verdadeiro cemitério.



MOUNT ATHOS:
De todas as carcaças de navios encalhados que encontramos, talvez o maior seja Mount Athos de 164 metros, naufragado em Março de 1967, quando carregava adubos ao Porto de Rio Grande. O que sobrou do navio esta exposto à beira do mar, à 15 km do Farol da Solidão, numa forma de aviso sinistro.
Moradores nos contaram, que durante à noite, as pontas do que sobrou do navio, provoca susto nas pessoas que por ali passam, dizendo se parecer com um grande mausoléu. AQUI falo um pouco mais sobre ele.



FAROL DA SOLIDÃO:
Possui 21 metros de altura e quatro contrafortes longitudinais. De cor vermelha fica localizado à cerca de 70 km à nordeste do balneário de Mostardas. A primeira instalação de um farol no local, data de 1916. O farol da Solidão não está aberto para visitações. Uma pena!.. Com algumas pequenas construções a sua volta, não parece mais fazer jus ao seu nome.



Encontrar tantos animais marinhos mortos na beira do mar, nos causou muita surpresa durante o trajeto. Nos perguntávamos a razão de tudo aquilo. Era uma constatação muito triste e por mais que andávamos, o trajeto parecia infindável, até encontrarmos um acesso de volta a estrada RS -101, no meio de tanta areia. 




PECULIARIDADES:
Toda esta região marítima que costeia a cidade de Mostardas, Tavares, Bojuru e São Jose do Norte é sem duvidas, de extrema beleza e peculiaridade. É uma região que se diferencia do resto do Estado por sua diversidade marítima e aves migratórias que partem das regiões mais distantes do mundo, para se reproduzirem no PARQUE NACIONAL DA LAGOA DO PEIXE.
Os ventos fortes que sopram no litoral, transformam a cada instante a natureza e os cômos de areia, em belíssimas esculturas naturais.
Esta enorme área que estende-se pelo litoral, constitui o maior vazio demográfico do estado do Rio Grande do Sul. 
Com uma economia frágil e desorganizada, fundamentada no setor primário e secundário, a sociedade local padece de enormes carências sociais.

DICA GASTRONOMICA:
Restaurante Ed Mundo's. O prato a "Moda da Casa" feito com o peixe papa terra é a especialidade da casa. O restaurante de aspecto simples está localizado na Rua Bento Gonçalves, 906 Tel.(51) 3673.1969 - Mostardas.

ARTESANATO LOCAL:
Quiosque da Praça Municipal: Artesanato típico da região. Casacos, blusões cobertores e mantas de lã mostardense, no Quiosque da Praça Municipal em Mostardas.
Até a próxima viagem!

A HISTORIA DE MOUNT ATHOS.

Em março de 1967, o grego Mount Athos de 164 metros, naufragou nas proximidades de Mostardas, quando viajava ao Porto de Rio Grande carregado de adubo. Havia 28 tripulantes ha bordo e acredita-se que o navio foi atingido por ondas e ventos, aproximou-se demais da costa e colidiu em um banco de areia.

O que sobrou da carcassa do tombadilho do Mount Athos, continua exposto á beira mar, á 15 Km do farol da Solidão. Nas noites de neblina, as colunas de ferro, que se erguem entre as espumas das ondas, apavoram eventuais viajantes. Corroídas pela maresia, compõe uma lápide coletiva para náufragos de todas as épocas

sábado, 20 de dezembro de 2008

Frases soltas

Agora pela manhã, abro toda a janela pois quero que entre mais sol. Meu jardim está florido e recebe elogios de quem o nota. Lembro dos tempos de primavera perfumada que sorri como hoje. Aqui o silencio é de paz e tem musica de pássaros, alguns que não conheço. Cada homem tem o seu tempo, e o meu, acelera as mudanças num cronômetro pessoal, relaxa as tensões. A vida me revela certezas, impossibilidades, nascimento e morte de paixões.

Moema partiu com sua amiga de madrugada rumo a sua felicidade e para sempre. Antes dançou sobre as telhas frágeis de meu telhado. Plantou rosas, orquídeas, arrancou petalas, mostrou sorrisos e lágrimas. Deve correr de janela aberta no automóvel até chegar ao seu destino, abrir novas gavetas, desvendar mistérios e transforma-los em poesia, abraçar seu desejo de futuro. Lembrei do filme Thelma & Louise que assisti há alguns anos e pensei em silêncio enquanto cruzava o portão e a deixava para traz: Adeus Moema!
Já em casa relí seu bilhete que me enviou há alguns dias.

"_O dia esta da cor de tempos de reflexão. Minhas orquídeas estão sem flores. Estou com vontade de partir para novos campos, me faltam inspiração. Hoje quero sair para encontrar um rumo. Estou só e isso me faz fraca. Meu ser e meu corpo são pura paixão e musicalidade, não aprendi a ser só. Digo isso porque sei que me entende e me ouve. Rosas em seu caminho, em seu dia.
Bjs!.. Moema- 15/12/2008"

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Soltar os demônios

Hoje talvez seja uma noite boa para soltar demônios, daquelas em que eu abro mão de ser tantas coisas pelas exigências do dia, que me viro do avesso em gargalhadas e prazer e gasto todas as energias presas em ritmo, força, dança e alegria.
Promete ser!
..
Alguem que não lembro, disse-me que é difícil soltar demônios, mas depois que soltamos, viramos anjos, crianças, mais humanos.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Voce está dormindo?

Sempre acordo-me mais cedo que o necessário. Digo isto, por que alguém já me falou sobre isto e porque conscientemente sei que nem sempre tenho oque fazer realmente, depois que desperto, que lavo a cara, escovo os dentes e tomo meu café sem acompanhamentos. Mais tarde percebo a inutilidade das tarefas que fiz entre um espaço e outro de bobeira, quando poderia ter ficado mais tempo na cama curtindo o nada, a preguiça, a dor nas costa, os pensamentos soltos e sem lógica.
Hoje muito cedo fiquei inquieto sobre a cama, mas mesmo com impetos de levantar-me sentia-me atraido em permanescer ali deitado. Não consegui perceber oque me incomodava realmente. Pensei que talvez fosse a persiana da janela do quarto que deixo aberta para entrar o vento da noite e que pela manhã me incomoda pelo excesso de claridade na cara, mas era algo além disto. Era um bip que disparava a cada um ou dois minutos, enquanto eu me movimentava e tentava viajar nas delicadas cores das orquídeas, nas exóticas folhas das bromélias. O bip vinha da sala, agudo e profundo e cada momento que tocava, parecia aumentar sua capacidade sonora e a minha até então controlada irritação. Identifiquei lá pelo quinto ou sexto bip que era do telefone celular que eu havia deixado na sala antes de me recolher à noite. Deixara-o sobre o puf na sala, acomodado sobre uma agenda enquanto lia alguma coisa na intenet. Droga!.. Levantei-me da cama enfurecido, peguei-o em minha mão com vontade de jogar contra a parede... Me controlei. Estava escrito: Uma nova mensagem. Acessei a caixa de entrada que dizia: _Você está dormindo??? Era 05:30 da manhã.

Orquídeas e Bromélias

No refeitório do hospital, conversava com uma colega médica de trabalho. Pincelávamos assuntos entre o ruído de pratos, talheres e outros colegas que estavam ali sentados á volta em outras mesas almoçando. Algumas vezes os assuntos se cruzavam e tornava-se difícil ouvir e entender oque falávamos realmente. Mas enfim, entre tantas coisas que mencionamos como a sua pesquisa sobre o numero de mortos por parada cárdio-respiratória em Porto Alegre e que hoje é deficiente em dados estatísticos e o estres que vivenciamos diariamente em nosso trabalho, falamos também sobre os seus planos de trocar a loucura dos centros urbanos da capital, por um lugar mais calmo, arejado e modesto. Mencionei Viamão, cidade vizinha e perto da capital, onde morei por alguns anos e que ainda mantém uma boa qualidade de vida se optar-mos pelo local certo dentro da cidade.
Falou-me da sua necessidade de ir em busca de um ambiente que corresponda as suas necessidades pessoais, do seu desejo de substituir o apartamento por uma casa com pátio, cachorro e seu interesse em dedicar-se a criação de um jardim e um pequeno espaço para o plantio de orquídeas. Pensei em mencionar minha paixão por bromelias e o tempo em que eu dediquei-me a elas, pensei sobre a necessidade de criar-mos estes ambientes em nossas vida e a importancia de interagir-mos com ele, pensei em falar mais coisas sobre isto, porém quando percebemos, tínhamos acabado de almoçar e precisávamos voltar ao trabalho.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Trocas de carinho

Agora, há poucos minutos quando cheguei do trabalho, falei com minha mãe pelo telefone e percebi como temos trocado carinho um com o outro. Percebi também que não éramos assim no passado, que embora fossemos muito apegados, não conseguíamos expor nossos sentimentos de forma tão explicita e verdadeira. Era como se algo invisível entre nós nos impedíssemos de manifestar estes sentimentos que pareciam estar reprimidos. Algo se modificou e fez com que resgatássemos este aféto contido, intimidado dentro de nós. Já no final da ligação depois de conversarmos, rirmos muito, demo-nos adeus varias vezes e ela ainda finalizou com a voz emocionada: _Me liga, não esquece de mim, eu te amo muito!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A voz do Jazz


Madaleine Peyroux é uma cantora de jazz nascida na Geógia que escreve e interpreta suas proprias composições e letras. É especialmente lembrada por seu estilo vocal, que em muito lembra o estilo da cantora Billie Holiday.
Peyroux
viveu também no sul da Califónia, na cidade de Nova Iorque e em Paris. Começou a cantar com quinze anos de idade, quando descobriu os artistas de rua do boêmio Quartier Latin em Paris. Ela integrou o grupo The Riverboat Shufflers, primeiro passando o chapéu, e então, depois, cantando. Aos 16 anos, passou a fazer parte dos The Lost Wandering Blues and Jazz Band, grupo com o qual passou dois anos em turnê pela Europa interpretando canções de estrelas dojazz como FatsWaller, Billie Holiday, Ella Fitzgerald, entre outros, dando base às interpretações de seu primeiro álbum, Dreamland.

Reflexões

Acordei com vontade de rever algumas coisas em minha vida, depois pensei que não fosse o momento acertado para estas incurssões emocionais. Algumas verdades se revelam de forma mágica e inesperada em nossas vidas, sem que nos esforcemos para encontrar-las. Te surgem respostas à certas dúvidas, sem a necessidade de reflexões profundas, como uma leve mudança de ar, uma bruma suave, uma frase dita do nada. Dias difíceis estes em que vivemos entrelaçados em dúvidas, esbarrando em incertezas! Talvez não surja nada no fim da linha, no fim da rua, no fim da vida, embora eu pense com incerteza, que exista mais, além do meu estreito campo de visão, do resíduo de minhas verdades que faço leis pessoais, dos pequenos desfechos que invento para reiniciar minha ficção. Depois li esta frase em algum lugar:
"_Não preciso de verdades. Para viver, voce só precisa de mentiras. Chega deste papo furado de que o sonho acabou!.."
poeta Wally Salomão.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Recado poético no meu celular

Recebi este recado em minha caixa de e'mail, e o achei de uma beleza e sensibilidade impar como a pessoa que me enviou.
Li também no blog de uma amiga uma frase que entendo definir as palavras escritas no recado:
"As vezes a gente pensa que está dizendo bobagens e está fazendo poesia.".
"O dia esta da cor de tempos de reflexãoMinhas orquídeas estão sem floresEstou com vontade de partir para novos camposme faltam inspiraçãoHoje quero sair para encontrar um rumoEstou só e isso me faz fraca. Meu ser e meu corpo são pura paixão e musicalidade, não aprendi a ser sóDigo isso porque sei que me entende e me ouve.
Rosas em seu caminhoem seu dia.
Bjs!.."
Na vida,
não existe vitória ou fracasso,
existe sim experiências!
Ana Sharp

domingo, 14 de dezembro de 2008

Decisões

Diante de um impasse, decida! É preferivel uma decisão errada do que uma eterna indecisão. Os erros na vida são completamente inevitáveis e é a partir deles que se retoma os acertos.

Lágrimas de Cristo


Fiquei olhando a delicadeza de sua forma no parapeito da minha janela. Os caules são finos e flexiveis e deles nascem folhas verdes e aredondadas. Na ponta dos galhos, as flores brotam em pequenas pétalas brancas que se abrem para expôr outras petalas menores e vermelhas com filamentos delicados.
Acontece que eu não consigo mais viver neste mundo que põe laços apertados, que me obriga há responsabilidades afetivas maiores que aquelas que posso dar. Que me aprisionam, em meu próprio senso de dever algumas vezes incumprives pelo cansaço das obrigações. Meus sonhos divergem dos sonhos que me oferecem, dos que ja sonhei. Talvez não tenha sonhos além de meu presente.

sábado, 13 de dezembro de 2008

O jovem no terminal de ônibus

O jovem entrou no terminal de ônibus, se aproximou do telefone público, que eu sabia estar estragado e ficou ali teclando, enquanto me observava com um certo disfarce no olhar. Desconfiei de sua postura e então justifiquei para mim mesmo que talvez fosse sua curiosidade pelo macacão azul, com algumas listras prateadas e escrito 192 que eu vestia. Depois passou por mim e cumprimentou-me de forma desconfiada e se enfiltrando entre as pessoas que aguardavam os coletivo há alguns metros. Estaria talvez drogado? Dava voltas entre as pessoas como se procurasse algo entre elas, depois atrevessou a avenida e desapareceu. Me envergonhei de pensar que talvez pudesse ser um ladrão á procura da oportunidade certa. Não tinha mais de dezoito anos.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Tipo Knnor

Dois colegas cochichavam um no ouvido do outro, enquanto assistiam descaradamente a outra colega trabalhar com uma dessas calças justas e flexivivel de material sintético colado na bunda,.
_Esta calça é daquelas, tipo Knnor! _Disse um deles.
_Como assim, Knnor?
_Ora, deixa qualquer galinha gostosa!
Todos gargalharam juntos, inclusive a colega que estava de bom humor

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Indecifrável olhar

Algo de incomum acontece quando cruzamos nossos olhos naquela esquina. Este teu olhar que não leio nada, que não fala nada, ou que simplesmente não é nada além de minhas divagações.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Encontro ao acaso

Ah! as coincidências!..
Quem as cria? Deus, o homem ou a vida?

Há alguns meses não queria ver Helena e muito menos falar com ela. A engrenagem de nossa amizade trancou por um mal entendido que parecia não ter conserto. Ontem a encontrei na parada de onibus, pareciamos ja ter digerido grande parte do impasse criado. Impossivel desvencilhar-se deste forçado encontro do acaso. Encontros que a vida, Deus ou o homem inconcientemente provocam, oportunizando situações à serem resolvidas para que continuemos a viver em paz com nós mesmos!

domingo, 7 de dezembro de 2008

As Três Rosas

Recebi uma mensagem no MSN, eram três rosas vermelhas que pareciam murchas, pois seus caules se dobravam em forma de uma bengala, dando a sensação de que estavam caídas, morrendo. Engraçado pensar nestas rosas vermelhas agora! Mensagens visuais desenhadas que te passam idéia de emoção, de sentimentos, que te falam coisas sem o uso de palavras escritas. Elas pareciam quererem dizer qualquer coisas do tipo:
_Estamos tristes! mas poderiam quererem dizer tantas outras coisas além disto, que fiquei pensando oque poderiam ser!...

sábado, 6 de dezembro de 2008

Pizza + Coca- Cola e indisposição

Algumas coisas não te caem bem e ficam pesando indevidamente no estômago, daí é meio passo para o resto da noite ficar naquela desagradável sensação de indisposição, de que alguma coisa além de seu estômago está errada. Será que é culpa da pizza hiper-temperada, do queijo, do catchup? Você tenta fazer da Coca cola o sal de frutas não encontrado na gaveta. Bebe quase dois litros e nada de aliviar!... O papo continua acirrado a o seu lado e você chega a conclusão que só tem uma saída: Um banho frio e cama.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Boas lembranças

Algo em mim ficou pra tráz e hoje tento recuperar. Algo naquelas tardes de matinés no cine Miramar, nos acampamentos improvisados e grandes caminhadas, no luar sob a lagoa de Itapuã rasgando a água de luz até a margem e suas areias brancas, nos poemas cantados de vinicius de Moraes, nos textos de Fernando Pessoa lidos à noite sob a luz de velas, no doce beijo na boca. Algo em mim, ficou por lá e tento reaver em minhas lembranças com alegria, porque sei que não se vive o passado. Nas noites de solidão que não me deixam valas, dou gargalhadas e revivo com saudades tudo oque ficou pra traz sem tristeza.



POEMA EM LINHA RETA

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.
E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.
Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...
Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,
Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?
Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?
Poderão as mulheres não os terem amado,Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.
Fernando Pessoa como:Álvaro de Campos

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Relacionamento

Um relacionamento nunca cria nada. Ele só pode trazer algo que já é existente. Assim, nunca jogue a responsabilidade no outro. O outro é, no máximo, uma ajuda para lhe mostrar as subcorrentes de sua mente. Cada relacionamento é um espelho; ele revela sua identidade a você.

Osho

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...