sábado, 29 de junho de 2019

OUVINDO VOZES.

Por acaso tu já ouviu vozes no pé do ouvido, quando estava em casa entretido, fazendo alguma coisa, ou mesmo na rua, atarefado, te causando um pequeno susto e fazendo tu olhar pro lado sem encontrar ninguém e depois achares que esta voz veio de ti mesmo, criada de tua cabeça, dos teus próprios pensamentos estressados?
As vezes nem dá para entender o que estão dizendo, pois são frases curtas, ou apenas dizem o meu nome, como se quisessem me chamar a atenção, ou alertar sobre alguma coisa importante.
Se isto não acontece contigo, nem nunca aconteceu,  tu deve estar com algum problema muito sério!

sexta-feira, 28 de junho de 2019

O GAÚCHO E O TELEFONE MÓVEL

Num dia frio de inverno, estávamos retornando de São José dos Ausentes para Porto Alegre, num micro-ônibus cheio de mulheres, quando localizamos um gaúcho montado em seu pingo, numa coxilha a nossa direita da estrada. A mulherada se alvoroçou tanto quando o viram, que até alguns sonhos de fórum intimo, com gaúcho desconhecido, foi colocado em publico causando grandes gargalhadas. 
A beleza daquela imagem, um gaúcho de chapéu, capa e cavalo pretos, emoldurados pela neblina densa que caia, era mesmo de tirar o folego e se parecia com uma foto retirada de algum livro de historias folclóricas. 
A medida que nosso veiculo se deslocava e contornava a coxilha, sua imagem foi ficando mais visível e notamos que ele tinha numa das mãos um telefone celular e que possivelmente tentava capturar algum sinal.
Ao perceberem isto, a gargalhada foi ainda maior, pois os sonhos e fantasias de qualquer natureza, desabaram na  mesma hora. 

quinta-feira, 27 de junho de 2019

MAS O MUNDO É ASSIM MESMO VIU?

Certamente faz parte do nosso dia à dia, alguns "amigos" te empurrarem contra cercas de arames farpados, para ver como tu reages. Isto deve ser um tipo de teste, para conferirem se as feridas provocadas são profundas e qual a intensidade do sangramento.
Se tu gritas, chora de dor e sangra, eles te olham com ar de solidariedade e de proteção e oferecem o ombro amigo,  te convidando a deitar a cabeça, conferindo-lhes uma certa autossatisfação e superioridade, disfarçada de bondade. Se nada acontece e saímos ilesos, se frustam e somos classificados como sequelados de alguma doença psico social ainda a ser descoberta.
Mas o mundo é assim mesmo viu? Os homens dão empurrões nos outros e ficam testando suas próprias vulnerabilidades em vidas alheias, porque precisam disto para se enxergarem.

sábado, 22 de junho de 2019

NÃO QUERO DESVENDAR CERTOS MISTÉRIOS DA VIDA.


Eu tenho saudades de muitas coisas que vivi e de outras que não vivi, por que certamente, nem estava presente, quando aconteceram. Talvez alguns fatos, eu tenha ouvido falar ou lido em algum jornal, não sei ao certo.., porque me perco na grandeza do tempo e do espaço que medra.
Lembro de ruas, bares, lugares, cidades que nunca estive, de olhares, abraços de pessoas que não tenho certeza se recebi, porque as imagens são meio vagas no tempo presente e tudo parece um mistério que às vezes nem quero desvendar, apenas relembrar com pitadas de saudades. 

ARRISCANDO O PESCOÇO

Às vezes saia a caminhar nas margens daquele rio, em pleno outono. Ia sozinha para ouvir a água se arrastar por entre os cascalhos ponte-agudos e algum lixo que encalhava nas margens e no pilar da ponte que cruzava a cidade. Não percebia as horas passarem. Depois, sentava, onde possivelmente outras pessoas, em algum momento, deviam ter sentado, um banco solitário, abaixo do trafego pesado de veículos, para ver a água do rio se encostar  na linha do horizonte que mudava de um alaranjado, para o breu.
Aquele devia ser obviamente, um local perigoso de encontros, a água, a ponte, o banco, o horizonte e ela, que por não ter mais nada o que fazer, arriscava o pescoço, diante de tamanha beleza inexplicável. 

sexta-feira, 21 de junho de 2019

RABADA COM MANDIOCA


Na quinta-feira, fui a o Mercado Publico, a procura de um rabo de boi. Fui convidado a participar de uma rabada na sexta à noite e o ingresso era que cada participante, levasse um rabo de boi, que seria cozido com mandioca no fogão a lenha. 
Aproveitei para comprar também língua de boi, fígado de galinha, ossinhos de porco salgado e banha, para dar mais gosto a o feijão preto, que cozinharei durante a semana.
Na sexta-feira de tarde, dia da rabada, eu e minha prima estávamos sentados na praça, quando ouvimos o rufar de um tambor distante, que nos chamou a atenção e em seguida se silenciou, sem que conseguíssemos localizar de onde partia o som. Ficamos em silencio e pensei aqui com meus botões "Isto é coisa da nossa ancestralidade". Coisa que não se explica!

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...