terça-feira, 27 de novembro de 2018

MADAME SATÃ


Madame Satã, foi uma figura "sinistra" e envolvida em mistérios, temida e lendária das noites boemias da Lapa no Rio de Janeiro; considerado uma referência na cultura marginal urbana do século XX. Descubra um pouco mais sobre este homem de personalidade tão complexa.



Madame Satã, foi uma Drague Queen brasileira, vista como personagem emblemática da vida noturna e marginal carioca na primeira metade do século XX.
Criado numa família de dezessete irmãos, no interior de Pernambuco, diz-se que João Francisco dos Santos (seu verdadeiro nome), chegou a ser trocado, quando criança, por uma égua. Quando jovem foi para Recife, posteriormente, mudou-se para o Rio de Janeiro, indo morar no bairro da Lapa. 
Analfabeto, o melhor emprego que conseguiu foi o de carregador de marmitas, embora houvesse o boato de que também tenha sido cozinheiro. 
Considerado um marginal, acredita-se que o fato de ter sido negro, pobre e homossexual, tenha contribuído para se tornar o ser complexo que foi.
Era frequentador assíduo do bairro onde morava (conhecido como reduto carioca da malandragem e boemia na década de 20), onde muitas vezes trabalhou como segurança de casas noturnas e cuidava que as meretrizes não fossem vítimas de estupro ou agressão.
Foi preso várias vezes, chegando a ficar confinado ao presídio da Ilha Grande, 16 anos por assassinato de um policial em 1928 .
Frequentemente, Madame Satã enfrentava a polícia, sendo detido por desacato à autoridade diversas vezes. Considerado exímio capoeirista, lutou por várias vezes contra mais de um policial, geralmente em resposta a insultos que tivessem como alvo mendigos, prostitutas, travestis e negros. A ficha criminal ao longo de sua vida é vasta: No total foram 27 anos e 8 meses de prisão, 13 agressões, 4 resistências à prisão, 2 furtos, 2 recepções de furtos, 1 ultraje público ao pudor, 1 porte de arma, resistência à prisão entre outros.

COMO SURGIU O APELIDO:
Dotado de uma índole irônica e extrovertida, ele era encantado pelo carnaval carioca. Foi assim que, em 1942, ao desfilar no bloco de rua Caçador de Veados, surgiu seu apelido. O transformista se apresentou com a fantasia Madame Satã, inspirada em filme homônimo de Cecil B. De Mille.
Madame Satã é considerado uma referência na cultura marginal urbana do século XX. por representar o desejo de sobrevivência que se transformou na malandragem da época"
Para o acadêmico norte-americano James N. Green: “Ainda que Madame Satã exibisse uma imagem de valente, sua reputação desafiava a associação tradicional do malandro com a masculinidade rude da classe trabalhadora. Em vez disso, evocava uma figura sinistra e misteriosa, um tanto andrógina.”  E é esta característica diferente, de meio homem, meio mulher, que fascinou a tantos. tornando Madame Satã uma lenda. O malandro carioca fora tradicionalmente conhecido por sua masculinidade e virilidade, ao identificarmos e mapearmos a figura de Madame Satã, temos o malandro representado por um homossexual que conseguia traduzir perfeitamente todas as características da malandragem, junto com uma "feminilidade" própria. Sua história não inspira fragilidade pelo fato de ser homossexual, mas essa identidade se completa quando escutamos que era um exímio capoeirista de “navalha no pé”, o que torna sua figura verdadeiramente espantosa.
  • Em 1971, concedeu uma polêmica entrevista ao jornal O Pasquim.
  • Ele teve publicado em 1972 o livro "Memórias de Madame Satã".
  • Em 1974 foi lançado o filme Rainha Diaba, que conta a vida de um transformista marginal, interpretado por Milton Gonçalves, livremente inspirado em Madame Satã.
Nasceu em 25 de Fevereiro de 1900, 12 anos apos a abolição da escravatura e faleceu em abril de 1976 logo após a sua última saída da prisão, vítima de um câncer de pulmão.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...