terça-feira, 30 de janeiro de 2018

2018

2018 chegou em mim com uma força diferente dos outros anos. Força de mudanças, cuja a responsabilidade maior, depende só de ajusta-la na vida, como uma verdade, através da mudança de hábitos, atitudes, reflexões que geram novos pensamentos e olhares, abrindo novos caminhos e abdicando de certos privilégios. 
Li uma frase que não vou identificar o autor, mas que ajudou na minha decisão:
"Não abro mão da minha horta, nem do meu galinheiro. Isto não é questão de idade, isto é questão de oposição!"
Não, eu não vou fazer uma horta nem criar galinhas, mas pensei que abrindo mão de certas concessões, também posso fazer oposição.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

COQUETEL.

Depois de um tempo, a gente fica meio de vagar, meio esquecido, meio sem forma, meio surdo, meio deselegante, meio sem paciência, meio reclamão e sem  achar graça, daquilo que todos acham graça e fazem disto um caminho para suportar o que por vezes, pra nós, não é mais aceitável.
Gosto dos bem humorados, como aquela frutinha doce, mergulhada na bebida amarga, que a deixa mais palatável, mas acho sem graça, os que acham tanta graça das destorções sociais e politicas do mundo como se tudo fosse uma piada e parecendo ter a resposta e um certo controle sobre tudo!


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

QUEM TEM MEDO DE PABLO VITTAR?


Irritado eu?.. Por que eu não seria mais um entre centenas, talvez milhares, numa sociedade cheia de juízes, de mentores, de filósofos, psicanalistas, de cientistas políticos online, de donos da verdade absoluta que tem a resposta na ponta dos dedos para arrumar o mundo, que tem a chave para a felicidade e do bem viver? 
De gente, por exemplo, que perde seu tempo falando mal de Pablo Vittar nas redes sociais e de suas performances ditas “sem talento”, tentando construir-se de um status critico de intelectualidade e bom gosto, que não possuem, fazendo aumentar cada vez mais o marketing do Drague Queen, que enche os bolsos de dinheiro e dos empresários da mídia que o apoiam?
Sabe aquela frase: “Falem mal, mas falem de mim!..” Então?
Fico irritado sim, porque não absorvo estas novidades como uma ameaça a sociedade e a minha integridade moral, intelectual, mas fico P da vida, com as mazelas nas redes sociais para gerar  discussões negativas que incitam o ódio e afomentam a discriminação.
Pablo Vittar, assim como Marília Mendonça, Preta Gil e tantos outros, que eu não lembro agora, não me representam por que não falam a minha língua e nem fazem parte do meu repertório emocional; portanto quando os encontro por acaso, através do radio ou da televisão, troco de canal e penso que tem gente que gosta e daí!.



Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...