segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

A SENZALA ESQUECIDA, EM PORTO ALEGRE. URBEX


Conheci ontem junto com meu colega, o que sobrou de uma antiga construção na Lomba do Pinheiro e que segundo alguns moradores das redondezas, possuía em seu porão uma senzala com instrumentos onde eram aprisionados os escravos nos séculos passados e que por esta razão o lugar é conhecido como a "Senzala da Lomba do Pinheiro". Na verdade constatamos que nada mais existe no local, alem de ruínas e um cofre destruído, que supostamente continha documentos de compra de escravos e que foram queimados, quando vândalos e ladrões invadiram esperando encontrar ouro e outros objetos de valor.


As ruínas na verdade, são vestígios de duas construções afastadas uma da outra e encrustadas no meio do mato: Uma com paredes feitas de pedra medindo mais de 50 centímetros de espessura, fazendo-me lembrar das antigas construções que conheci em Alcântara no Maranhão e a outra, que acredito ser menos antiga, com paredes de pedra e tijolos grandes e um tipo de reboro cujo os componentes são de difícil identificação pela ação do tempo e a minha falta de conhecimento técnico no assunto, mas visivelmente muito antiga.


Segundo o que nos contou dona Maria, uma das moradoras locais e cuidadora da senzala, o aumento do numero de pessoas e invasores, que iniciaram a construir suas casas naquela área antes quase deserta, a antiga casa e sua senzala, foi sendo destruída pelos novos moradores que ali foram se estabelecendo e saqueavam telhas, pedras, ferro e tudo que achavam reutilizável na construção de suas próprias casas, assim como outras pessoas que simplesmente depredavam por se tratar de uma casa velha e sem interesse. Mesmo com o seu pedido de conservação entre os moradores vizinhos, era sumariamente ignorada.

cofre pertencente a casa
Algumas vezes foi solicitado por ela a ajuda da policia, da prefeitura e de alguns meios de comunicação para que fossem criados algumas medidas no que se refere a proteção da casa e sua senzala, mas nada foi feito, até a sua completa transformação numa ruína sem qualquer registro histórico que se tenha conhecimento.
Conforme Claudio Garcia Teixeira, ex presidente da Associação de Moradores da Quinta do Portal, que me acompanhou nesta visita, de 1998 à 2002 a antiga construção ainda se mantinha preservada, com cobertura de telhas de barro, azulejos europeus em algumas paredes e uma enorme banheira de mármore que posteriormente foi roubada. No porão da casa haviam correntes com tornozeleiras de ferro onde possivelmente eram amarrados os escravos. Nos fundos do patio uma especie de tronco e também uma imensa gaiola de ferro sem cobertura onde acreditavam que os escravos eram mantidos encarcerados. Foi também neste período que ele como presidente comunitário, tentou buscar apoio junto a Secretaria Municipal da Cultura, RBS, Correio do Povo e Rede Bandeirantes que lá estiveram, fotografaram e nada mais foi feito.


Dona Maria acredita que talvez não tenha buscado o apoio necessário para a salvação do lugar, por não ter conhecimento sobre os meios adequados para isto, já que possui pouca instrução.
Claudio Garcia disse que depois de informar a Secretária da Cultura, a mesma informou que a área se tratava de uma propriedade particular e passava por especulações imobiliárias cujo o dono de sobrenome Chaves Barcelos, morava nos Estados Unidos.
Ao questionarmos se o abandono e a falta de interesse na proteção deste patrimônio por parte dos órgãos públicos, seria pelo fato de estar localizado, num área distante e pobre da cidade, afastando o interesse em sua conservação e divulgação, dona Maria se posicionou positivamente:
_Quem viria do centro da cidade até aqui para ver um senzala?.. Só o senhor mesmo!.. disse-me sorrindo e meio sem graça. Quanto ao fato da área pertencer a alguma família de posses, ela negou conhecimento.



Como chegar onde foi a senzala:
A senzala, ou melhor dizendo o que sobrou dela, fica localizada no Bairro Lomba do Pinheiro-parada 6, seguindo pela Estrada Afonso Lourenço Mariante, na segunda entrada à esquerda, no Beco das Oliveiras que é sem saída. No final do beco, cruza-se por uma clareira sombreada à direita, seguindo por uma pequena trilha, (caminho de motociclistas adeptos do rally), uns 200 metros à frente, escondida no matagal. Esta área coberta pelo mato, faz divisa com um pequeno loteamento chamado Quinta do Portal e Estrada do Rincão no Bairro Belém Velho.
Dona Maria também nos contou que uma forma de ver e apreciar como era antes este casarão e sua senzala é assistindo o antigo filme de Teixeirinha, "Coração de Luto", onde muitas tomadas foram feitas no local. Eu dei uma olhada no filme e nada identifiquei do local.

9 comentários:

  1. "Povo que não lembra o passado, comete os mesmos erros no futuro", o que mais esperar dos brasileiros senão o descaso? Não há interesse que a população tenha conhecimento, e isso gera voto para espertos inescrupulosos que futuramente irão nos governar, e então, menos estudo ainda. Estamos regredindo, é lamentável. Sobre a lembrança e a memória que este blog e a consciência da dona Maria nos trazem, estes eu dou nota 10!

    ResponderExcluir
  2. eu estava uma vez com dona maria e as meninas dela ,no local vi quando levaram uma carruagem toda de ferro do local , nao sei para onde foi levado;tinha muitas coisas la ainda nessa epoca a casa o galpao os troncos com as argolas usadas para amarrar os escravos

    Escrito por : Eilidia Angelita L. M

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isto é uma pena, a falta de respeito com que as pessoas em geral lidam com sua propria historia...

      Excluir
    2. Morei nesse lugar.são verdadeiras as informações da D.Maria.este lugar era um verdadeiro museu.T inha um galpão imenso não só com a carruagem mas outros objetos, livros, louças.lamentavel

      Excluir
  3. A história é supérflua no Brasil.

    ResponderExcluir
  4. sou professor da Escola São Pedro meus alunos estão tentando conhecer/construir um conhecimento da Lomba antiga, se alguém tiver informações e fotos gostaria de recebê-las para usarmos na nossa perquisa, Enviar pra variarh@gmail.com prof. valcir lidiomar mauss menezes, grato.

    ResponderExcluir
  5. Muito boa lembrança. Ainda esta semana falei com um morador proximo do local e me comentou sobre a senzala... fiquei de ir até lá... mas me falau que a propriedade tem seguranças de um banco... em todo caso, lamentamos que esta parte da historia dos povos e especialmente dos nossos, tenha sido pouco cuidada pelos agentes da proteção à historia... públicos e privados. Mais uma perda. Excelente a documentação.

    ResponderExcluir
  6. oI GENTE, adorei o post do Blog, e o estou incorporando a página no facebook PRESERVA BELEM VELHO, nunca fui no local mas seria um ótimo percurso para os caminhos rurais, vou deixar o Link da página aqui, moro em Belem velho, perto dessa divisa entre Rincão e Lomba...um abraço! https://www.facebook.com/preservabelemvelho/?fref=ts

    ResponderExcluir
  7. Olá pessoal cresci visitando a senzala ia pela manhã e saía só à tarde passávamos muito tempo lá brincando procurando saber sobre q segredos ela escondia mas como era Mato à dentro tínhamos um pouco de receio sei até onde fica a piscina onde provavelmente se refrescavam era lindo os azulejos a cozinha é separada da casa tem uma enorme caixa da água realmente creio ser da familia Barcelos e outra conheço um caminho que fica lá mesmo que segue ao lado de um murro de pedra que segue um bom pedaço hoje estou cm 26 anos me chamo Jaqueline e sinto uma enorme vontade de voltar lá de saber muito mais desta história magnífica qualquer coisa podem me contatar no facebook jaqueline abreu...

    ResponderExcluir

Você pode fazer seu comentário clicando sobre o título da postagem onde será direcionado para Conversa Fiada, com espaço para a publicação da sua opinião. Ela será acolhida com atenção e carinho e sempre que possível respondidas.

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...