quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Diario de Motocicleta


Na noite passada durante o meu plantão, assisti na TV o filme Diário de Motocicleta, história baseada nos livros de Ernesto Che Guevara e Alberto Granado (Notas de viaje) e que conta a aventura destes dois argentinos em 1952 na travessia do continente Sul Americano com uma motocicleta Norton 500, de Buenos Aires à Caracas. Che Guevara (Gael García Bernal) era um jovem estudante de Medicina que, em 1952, decide viajar pela América do Sul com seu amigo Alberto Granado (Rodrigo de la Serna) estudante de bioquímica. A viagem é realizada em uma moto, que acaba quebrando após 8 meses. Eles então passam a seguir viagem através de caronas e caminhadas, sempre conhecendo novos lugares e pessoas. Quando chegam a Machu Pichu, a dupla conhece uma colônia de leprosos e passam a questionar a validade do progresso econômico da região, que privilegia apenas uma pequena parte da população.
Diário de Motocicleta é um filme grandioso, passando a todos mensagens de liberdade, de reflexão sobre a vida. É um filme que traz a margem de nossos olhos, os sonhos reprimidos, a impetuosidade, a aventura, a capacidade de realização, fazendo com que reflitamos sobre as nossas próprias vidas, nossas fronteiras pessoais, sobre as diferenças étnicas do nosso povo, o preconceito, a pobreza, a simplicidade. Talvez, tenha surgido daí os motivos que levaram Guevara a estabelecer uma nova visão e ideologia de vida. Este filme me caiu como um presente mistico, uma vez que em Fevereiro estou saindo de férias para Machu Pichu - Peru. Vale a pena assistir o filme!

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Balanço

Poxa vida, fazendo uma retrospectiva no final deste ano, percebo o quanto cometi erros no intuito de acertar, de recortar sobras, de aparar arestas. Claro que tive acertos, muitos acertos, mas os erros parecem mais pesados e com volume triplicado nestes momentos de balanço pessoal. Em 2010 não quero ser cobrado por coisas que eu normalmente não cobro de ninguém, por respeitar diferenças. Não quero ser impedido de usar a minha liberdade de opinião, de expressão, de pensamentos.
Eu gostaria de fazer a diferença positivamente entre meus dias!


segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Avatar

Ontem me perguntei, enquanto assistia o filme, o porquê das cenas de guerra, de conquistas, das grandes explosões de fogo, da destruição e da presença do homem no filme Avatar que pra mim não havia necessidade. Bastavam as belas imagens dos jardins naturais fluorecentes, dos animais alados e de cores psicodélicas, os fantásticos cavalos esguios, feras, arvores gigantescas e montanhas flutuantes, os rituais sagrados e filosofia de vida dos Na'vis, (humanóides de três metros de altura e de cor azul), mostrando sua magia, sua sensibilidade e interação com o meio onde viviam. Só isto valia!
Acredito em mentiras cinematográficas, sonhos, paraísos, fantasias e respeito à natureza. Por um momento quase acreditei na existência da Lua de Pandora. O filme tem mensagens relacionadas à nossa realidade atual e deixa claro o seu alerta ecológico quanto a devastação do planeta.

Da liberdade

Liberdade tem tantos conceitos, alguns tão simples, outros tão complexos e sem nenhum sentido para quem ouve. Eu as vezes sinto ela tão perto, quando consigo escrever aquilo que talvez não tivesse coragem ou jeito para dizer em palavras e cujo significado para outros, tenha pouco ou nenhum valor significativo.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Natal

Já é Natal e cada ano que passa, sinto que algo se perde nos natais que ficaram pra traz.
Ele não é mais o mesmo!
Eu não sou o mesmo.
As pessoas também não são as mesmas.
Todos cresceram, envelheceram, se cansaram?
Sobram taças que são brindadas ao badalar da meia noite
do outro dia e abrir presentes...
Eu queria mais, esperava mais, ansiava muito mais!...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Firulas

O motoqueiro que fazia firulas numa rua de pouco movimento, bateu na lateral de um carro parado e sofreu alguns arranhões. Depois de imobilizado na maca e ter recebido os primeiros atendimentos se mantinha ansioso, revoltado com sua má sorte. Gemia, não parava quieto, não deixava ser examinado, se revoltava por que alguém não atendia sua chamada no celular. Praguejava, queixava-se de estar com sede. Sua namorada que segurava-lhe a mão, tentava acalma-lo com voz doce como se falasse com uma criança de cinco anos:
_Calma, vamos chegar, querido!
_Mas eu com sede! _Dizia ele inquieto, tentando afrouxar o colar cervical, levantando os braços, dobrando as pernas. Depois virou os olhos na minha direção.
_Oh meu, eu com sede!.._Reclamou com um tom de voz imperativo.
_Sinto muito, mas terminou o estoque de soro gelado do frigobar da ambulância! _Deu-me vontade de responder.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Estranhos simpáticos

Na tarde de hoje, no Barra Sul Shoping, depois de dois canecos de chopp comecei a caminhar pelos corredores aproveitando o clima dos condicionadores de ar ligados. Lá dentro o paraíso, enquanto lá fora, o verdadeiro inferno. A fila do cinema estava muito grande e os filmes em cartaz não me atraíram, então decidi que só me restava ver vitrines, cada uma mais enfeitada que a outra e os preços, nossa!.., salgadíssimos!.. De repente percebi que um casal vinha em minha direção. Ele loiro, cabelos dourados, bermuda larga e sandalia parecendo um turista europeu, ela também loira, forte, muito sorridente com sacolas nos braços, estendeu-me a mão com um largo sorriso no rosto:
_Ola, tudo bom, como vai?_ Perguntou-me sem nenhum sotaque gringo.
_Tudo bem e vocês? _ Retribui com simpatia do piloto automático ligado, sem fazer ideia de quem se tratava
_Tudo bem. Um bom Natal pra ti e a família! _ Concluiu indo na direção de uma loja.
Será que me confundiram com outra pessoa? Que bom que não pararam pois talvez fosse constrangedor para as duas partes se a conversa se estendesse. Me esforcei alguns minutos sem conseguir lembrar-me se os conhecia realmente. Pensei no quanto sou confundido com outras pessoas e segui meu rumo pensando sobre o calor infernal que deveria estar na rua!..

Opção de Natal

Atendi ontem o seu Leonardo, morador de rua no bairro onde eu moro e que queixava-se de uma lesão de pele nos braços que apresentavam bolhas e vermelhidão e cuja a dor incomodava-o já por meses. Queixava-se também de não poder urinar e seus pés com edemas lhe dificultavam de andar. Sua moradia é uma barraca improvisada com lona plástica preta num canto da praça e protegida por dois enormes cães da raça Fila, que rosnavam enquanto eu o atendia. Seu Leonardo disse-me que ficaria feliz se pudesse passar o Natal num hospital, assim teria cama limpa e comida quente.
_ E os cachorros quem vai cuidar? _Perguntei preocupado.
_Meus amigos tomarão conta até eu voltar. Se eu voltar!.. _Concluiu com um certo humor preocupado, deitando-se na maca.

Intuição

Algumas vezes sou tão intuitivo com determinadas coisas que fico, eu diria, envergonhado de ser acometido por esta sensação que me parece frescura, bobagem, afetação emocional. Mesmo sabendo que intuição é algo que não tem uma explicação clara que a justifique, por fugir do óbvio, do entendível e eu fico tentando apagar da minha cabeça o que me parece tão subjetivo e sem uma explicação. Dias depois, me rendo as suas revelações e tudo fica parecendo assim, meio humanamente sobrenatural, como se um outro eu me soprasse revelações a o pé do ouvido!..

Sonhos

Esta noite, sonhei com o Jairo. Ele cruzava por mim na rua e continuava com mesmo rosto de quando tinha seus vinte oito anos e não mais o vi, mas sua expressão tinha algo de loucura, de um desequilíbrio causado pelas drogas, pela solidão e não aceitação de seus antigos e tortuosos problemas.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Sem noção!!

De manhã cedo, quando cheguei no endereço da minha primeira ocorrência e vi aquela mulher que provavelmente pesava mais de 80 quilos, gemendo e estatelada sobre o piso frio de sua casa, cacos afiados de telhas espalhados pelo chão, pedaços de madeira, sangue, cortes pelo corpo, me perguntei com um pontinho de raiva:
O que uma mulher daquele tamanho, pensava estar fazendo aquela hora da manhã, em cima de um telhado fino de amianto?
Incrível, mas algumas pessoas não tem a mínima noção de perigo, de proporção, peso, medida e bom senso! Não sabem o significado de uma queda livre e as lesões que podem causar, provavelmente pensam que é possível num acidente destes flutuarem até o chão como plumas!.. Ninguém merece!...

domingo, 20 de dezembro de 2009

Escultura da natureza

Esta é uma escultura natural, criada a partir de um pedaço de madeira ou raiz, que o vento, a areia e o mar esculpiram na Praia da Solidão. Encontrei-a, sendo empurrado pela água até a faixa de areia. Me chamou a atenção sua forma, que se parece a de uma ave e que flutuava entre as carcaças de navios encalhados.
Me pergunto como a natureza consegue construir com tamanha semelhança estes objetos, entalhando cada detalhe e nos deixando surpresos com sua perfeição...

sábado, 19 de dezembro de 2009

Rua Zaire


Sempre que eu entro na Rua Zaire, na Lomba do Pinheiro e me deparo com a imagem da barragem que faz divisa com o Parque Saint' Hilaire em Viamão, tenho uma sensação de susto. É como entrar numa rua estreita de chão batido e esburacado e de repente encontrar aquela imensa represa de água diante dos olhos. Algo que não se espera, um truque geográfico, com os pés em Porto Alegre enxerga-se a cidade vizinha do outro lado da margem!.. A vila na beira da barragem é composta de casas humilde e me lembra alguma vila pobre de pescadores que não parece estar localizada dentro da cidade.

.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Como todos os anos acontece, ontem à noite foi o churrasco de confraternização de Natal e Ano Novo na casa do Camargo. Foram momentos de inegável alegria e descontração, pena que faltaram alguns colegas para dividirem este momento e apreciar o especial churrasco.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Acabando o estrese com Farofa

Anteontem me vi caminhando no eixo comercial de Porto Alegre, coisa que geralmente não faço principalmente em dias que antecedem festas, mas por algum acidente mental eu esqueci de datas e lá estava eu, enfrentando o sol escaldante, pessoas estressadas, mal educadas, engarrafamento nas calçadas, gritaria de vendedores ambulantes, o caos. Este período de festa natalina deixa todo mundo à beira de um ataque de nervos em meio ao campo comercial, consumista, o jeito é dar um fugidinha quando bate a fome e o cansaço, até o Farofa, restaurante agradabilíssimo na General Câmara -424 e apreciar o salmão grelhado ao molho de laranja, leite de coco, legumes e o geladissimo chopp artesanal. O restaurante é especializado em comida tipicamente brasileira e tem em seu cardápio os mais variados pratos e petiscos de dar agua na boca e surpreender qualquer cliente desavisado, pelo seu bom gosto e ambiente privilegiado.




segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Walkers

Ontem á tarde, durante minha caminhada a pé pelo Bom Fim, me deu uma vontade de comprar um All Star vermelho de cano alto como o que eu usava aos dezessete anos. Trocar o aro de metal do meu óculos por um de acrílico azul e usa-lo permanente na cara, perder uns vinte quilos e alguns vícios, mudar o modelo do meu cabelo, ir para Garopaba mas em 1980, tomar um suco de limão batido com casca, comer goiabas no pé, dormir nas areias de Itapuã e encontrar amizades profundas, dormir numa barraca e acordar com o barulho do mar, comer macarrão com sardinha em volta de uma fogueira, frango à passarinha na Praia dos Amores, perder o sono mas sonhar com as estrelas. Ontem me deu vontade de buscar tantas coisas guardadas e jogar outras que já não servem, fora!..

domingo, 13 de dezembro de 2009

Para dentro do labirinto


Acontece amanhã dia 14 as 20h, a estréia de Para dentro do labirinto - experimento sobre a obra de Jorge Andrade que será apresentado pelo GET, Grupo Experimental de Teatro da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre em única apresentação na sala Alvaro Moreyra- Centro Municipal de Cultura com entrada franca. A retirada de senhas será as 19h.
Para Dentro do Labirinto é o resultado da Montagem de Textos, o segundo módulo do GET, iniciado em 05 de outubro desse ano. O trabalho reúne fragmentos das peças As confrarias, Pedreira das Almas e Vereda da Salvação, de Jorge Andrade, entrelaçados com trechos da autobiografia, Labirinto, único romance do dramaturgo.
Segundo Mauricio Guzinski, coordenador do GET, "A montagem enfoca os aspectos humanos, em especial a presença forte das mulheres, personagens quase míticas no teatro de Jorge Andrade - 'Pietás brasileiras esculpidas pelo tempo' - e a poesia da palavra-escrita para-ser-dita que caracteriza a obra do autor".
Realização:
Prefeitura de Porto Alegre
Secretaria Municipal da Cultura
Contatos: 3289 8062 / 3289 8064/ Maurício Guzinski - 9154 2872

Erros e acertos

Semana passada lembrei da conversa que tive com um colega sobre a preocupações que temos com os filhos em relação as possíveis e desaconselháveis más companhias, do qual acreditamos serem capazes de influencia-los à tomarem caminhos errados na vida em função da falta de experiência e o fascinio pelo desconhecido, pelo proibitivo. Pensamos que nossos filhos não sabem cuidarem de si mesmos e nos transformamos em pais ansiosamente cuidadosos, verdadeiros guardas pretorianos tentando cuidar da segurança deles e coibindo sua auto defesa natural as mazelas da vida. Quantos erros cometemos no intuito de acertar, corremos o risco até de parecer-mos seus inimigos! Com tanta preocupação, esquecemos da nossa própria auto defesa e mesmo adultos e vividos nos expomos a todo o tipo de influencia e má intenção que rola em nosso meio. Não somos imunes a nada nesta vida e só somos influenciados ou vitimados, quando permitimos sua ação sobre nós
Somos postos á prova a todo o instante por ideias equivocadas e emoções duvidosas que tentam nos impor suas verdades. Algumas vezes tentam avançar nosso sinal sem que o deixamos verde, então tudo vira merda, por não ser possível administrar uma expectativa que não é da gente e que a nós não pertence. O empenho usado para nos convencer iniciou errado, na hora errada e com a pessoa errada. E como se julga uma má companhia, pela diferença de idéias e conceitos?.. Se o que é ruim prá um, pode ser bom para outro. E quantas vezes nossas idéias também já não foram vistas como uma má influencia tranformando-nos numa má companhia para alguém? No meu caso, inumeras!...O saldo final é que todos os envolvidos terminam colecionando erros e acertos para colarem em seus álbuns de vida e mais tarde refletirem sobre o ocorrido. Afinal somos todos humanos e aprendemos mais com os erros do que com os acertos!!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Amor e Culpa

Meu filho saiu daqui de casa para ir numa festa. Tomou um demorado banho, vestiu a bermuda que lhe dei de presente de natal antecipadamente, lanchou sua cuca favorita com Nescau, escrafunchou alguns minutos no seu Msn e Orkut, deu-me um abraço e saiu em direção à parada de ônibus. Enquanto descia as escadas do edifício cronometrei o tempo que levaria até o portão e corri até a janela para -lo passar na calçada. na rua, me deu uma abanadinha e seguiu até desaparecer por baixo das árvores e onde meus olhos não o avistavam mais. Em casa, fiquei meio ansioso dividindo minha atenção entre a cena da novela das nove e a tela do computador que deixou ligado, meus pensamentos soltos, lembravam de sua imagem em pequenos fleches de memoria que me causavam uma pequena mas incomoda culpa sem um motivo claro. Corri até o meu quarto, calcei um tênis sem meias, mochila, chaves e peguei o carro na garagem. Com um pouco de sorte ainda o encontraria na parada de ônibus. Há alguns metros avistei-o parei o carro e buzinei. Ele veio em minha direção abrindo a porta e sorrindo enquanto se ajeitava no banco.
_Pensei, e achei que não poderia te deixar a estas horas numa parada de ônibus!
Ele ainda sorria me parecendo ser de alegria
.
_Quando o carro entrou na esquina da rua, eu pensei, é o meu pai!
Depois de deixa-lo na festa, voltei para casa me sentindo mais leve, pensando que aquela atitude além de um carinho, parecia-me também um gesto para aliviar-me de alguma culpa que não sei qual o motivo e me pega de surpresa em alguns momentos como este.
Na madrugada, acordei com o alarme de sua mensagem no meu celular:
_Pai tô dormindo na casa do Gui. Relaxa!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Sinal Fechado

Sou um chato e não gosto de me sentir assim, excluído, por que esta sensação me destempera de tal forma que passa de uma desagradavel falsa impressão para um acontecimento. Quero dizer que ao me sentir deste jeito, transformo tudo numa verdade, num impasse e acabo me fechando com as pessoas que desconfio estarem me evitando por razões pessoais que desconheço ou desatenção. Então faço um processo inverso, eu que antes me sentia posto de lado as excluo por sentir meu orgulho de amigo ferido. Há alguns dias atrás, tentei falar com uma delas e por varios dias nada consegui. Telefone celular desligado, nenhuma resposta para as mensagens que eu colocava no messenger, e'mails, nada. Outra combinou de passar aqui em casa para conversarmos e então deve ter desistido e esquecido de me avisar, pois nem uma mensagem ou justificativa foi capaz de enviar-me. Sei que nossas vidas não giram apenas em torno de amigos, porque temos pendencias, problemas de toda ordem à serem resolvidos , mas particularmente não acredito na falta de tempo de levantar o telefone e justificar em poucas palavras nossas impossibilidades. Desta forma criamos lacunas que enfraquecem os afetos por desatenção e fechamos o sinal, fazendo da nossa vida como a antiga mas conhecida letra da musica de Paulinho da Viola:

"...Tanta coisa que eu tinha a dizer mas eu sumi na poeira das ruas
Eu também tenho algo a dizer mas me foge a lembrança
Por favor, telefone, eu preciso beber alguma coisa rapidamente
Pra semana...
O sinal...
Eu procuro você...
Vai abrir!!! Vai abrir!!!
Eu prometo, não esqueço, não esqueço
Por favor, não esqueça
Adeus... Adeus..."

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Ser muitos mas não ser todos



Às vezes oque ouço, nada me cabe e quando me serve fica faltando algum pedaço, não se acerta, me limita como roupa apertada num corpo inchado, que desconforta, que enlouquece e depois se rasga.
A o menos por enquanto, não quero mais cuidar do que não me pertence, não quero mais expor minhas costas para os loucos baterem e arrancar pedaços, não quero mais administrar as loucuras que não as são minhas e que são impostas pelos códigos sociais de uma certa convivência pacifica exigida e fingida. É isto que o mundo, a sociedade e as pessoas querem e te cobram, complacência, serenidade para entenderes estas loucuras alheias a tua vontade, administrar os erros e violências que não são tuas e que são enfiadas goela a baixo sem explicações e apontar culpados. Eu me sinto tão cansado, tão derrotado com tudo isto, que tenho saudades de um tempo em que eu era mais inconformado e que enxergava saídas onde hoje não enxergo mais. 
Cresce em mim uma perplexidade quando saio às ruas e vejo tanta falta de educação e de sensibilidade entre as pessoas, tantas violências e mortes, tantas rivalidades no transito, tanta rivalidade no trabalho por pura vaidade e acúmulo de frustrações. 
Quando abro a porta e recebo supostos amigos, observo-os e me surpreendo com o que há de pior neles e não encontro forma de desfazer a má sensação que causaram. 
Me pergunto o que mudou em nossos valores, que pra mim hoje, parece uma incógnita cuja regra é bater para não apanhar, enganar para não ser enganado. 
Tem dias em que me acordo com um sentimento de total impotência, de quem é subjugado por forças maiores, obrigado à fazer parte de um mundo onde o objetivo de estar nele, é viver ou morrer e para viver, tem que ser muitos mas não ser todos.




Contra o baixo astral


É possível encontrar tempo sim, quando temos necessidade de buscar alguma diversão nos momentos em que se está meio down e ter uma visão diferente de lugares que já se conhece. No domingo - 06/12, com intervalos de sol e uma leve garoa paulistana, que de tão fininha não incomodava, passeei de barco pelo Guaíba, observando a minha cidade por um outro ângulo. O preço é muito em conta, 10 reais por uma hora.

Festa de Integração

Dia 19 de Dezembro na cidade baixa em Porto Alegre acontecerá a festa de integração entre o pessoal que viajará para Machu Picchu dia 30 de Janeiro próximo. O objetivo da festa é se conhecer, tirar duvidas, se programar melhor e claro se divertir! 
A entrada será franca para quem estiver na lista. O local será na Pinacoteca Bar, na rua da Republica 409 à partir das 20h. O Tom é quem está armando esta!..
O lugar lembra os bares de Barcelona. Uma casa antiga com pé direito baixo com abobadas, paredes e piso detonado. A cerveja é muito gelada e no elenco de atendentes, o destaque fica com Pilinho, que além do cardápio, oferece também, frases de efeito! Como o nome sugere, a o bar também é um espaço cultural. Existem exposições de quadros, pinturas, fotografias durante o ano todo. Há espaço também para apresentações de esquetes teatrais e música. E nada melhor do que cerveja e deliciosos petiscos para acompanhar a movimentação cultural. O fone para contato é 51 321157 62.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Não aceito!

Minha ultima ocorrência no plantão de hoje: Garoto de 17 anos se joga do quarto andar do edifício onde mora. Correria geral equipe e ambulância, sirene ligada, luvas nas mão, ansiedade, pressa. Quando chegamos no local em seguida enxerguei-o caído no chão, boca ensanguentada, gemente, agitado, desorientado, amparado por um homem que a o reconhecer-me disse.
_Bah, vocês de novo?
Imobilizamos o garoto, examinamos, verificamos seus sinais vitais, acesso venoso, oxigénio.
_Dá outra vez, vocês atenderam a mãe dele que tomou um montão de comprimidos para morrer!
Chamamos outra ambulância com medico no local para os procedimentos avançados necessários. Trocamo-no de ambulância, da que eu estava, para a outra com o médico e foram embora. Formou-se um amontodo de pessoas atônitas e curiosas na rua, sem entender o que estava acontecendo. Meu Deus, o que se passa com o mundo, com as pessoas? Tenho na cabeça uma porção de respostas coerentes que justificam uma atitude destas, mas não me acostumo com elas, não as aceito!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Amor em lágrimas

Nesta manhã de pouco brilho, sem sol, nublada lembrei de Vinicius o de Moraes e sua poesia apaixonada, embriagada, sua poesia musicada, cantada. Talvez um dia eu venha sentir falta destes dias cujas manhãs me parecem tão insólitas e sem planos, tão abandonadas quanto o mar que soluça na solidão, nos pensamentos do poeta.

Ouve o mar que soluça na solidão
Ouve, amor, o mar que soluça
Na mais triste solidão
E ouve, amor, os ventos que voltam
Dos espaços que ninguém sabe
Sobre as ondas se debruçam
E soluçam de paixão
E ouve, amor, no fundo da noite
Como as árvores ao vento
Num lamento se debruçam
E soluçam para o chão
Deixa amor que um corpo sedento
Como as árvores e o vento
No teu corpo se debruce
E soluce de paixão.
                                                          *Vinicius de Moraes

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Prólogo e epílogo

No final da tarde, atendendo uma jovem de vinte anos, chamou-me a atenção seu sobrenome incomum e que era o mesmo de um amigo que não vejo a muito tempo. Durante sua remoção para um serviço de saúde, vinha conversando com sua tia que a acompanhava na ambulância e conversa vai, conversa vem, não deu outra, eram mesmo parentes, a jovem era filha deste amigo que hoje mora em São Paulo e que perdi o contato e que no passado trabalhamos juntos e nos tornamos bons amigos em momentos de alegria e também de dificuldades. Este fato fez-me pensar nas incríveis coincidencias que a vida provoca e que tantas vezes pensei em tentar comunicar-me com ele, mas desisti por falta de pistas da sua localização e de coragem por não saber se seria recebido com o mesmo calor de antes. Acho que o tempo e a distancia destempera muitas coisas. Deixei-as no posto de saúde sem pedir mais informações a respeito dele e por insegurança ou inibição, finalizei esta história como quem fecha as paginas de um livro que foi bom, mas não queria modificar o seu epilogo.

domingo, 6 de dezembro de 2009

FESTA NA USINA.




Hoje foi dia de festa na Usina do Gasômetro por ocasião do Natal 2009 e inauguração da árvore natalina com uma altura de 50 metros nas proximidades do Guaíba. Cheguei as 17h ainda dia e a festa já havia começado, com muita animação e o show da Dupla Fat Duo as 17h 30 min. depois com as bandas, Se Ativa e Pura Cadencia as 19 h. O movimento de pessoas e algumas tribos culturais foi crescente e os ponto mais altos da festa foram a apresentação do grupo Papas na Língua que iniciou as 20h mostrando suas musicas de maior sucesso e a contagem regressiva feita por eles para a iluminação da árvore as 21h acompanhada de muitos fogos de artificio. Concomitente as apresentações de palco haviam muitos outros palanques montados na beira do rio como grupos de Pagode e uma terreira de Umbanda que destribuiu Axé para todos ali presentes que desejavam beneficiarem-se com as bençãos dos Orixás. Valeu a pena estar lá!

Eu só queria exceções...

Algumas coisas nesta vida não valem a pena por que não cabem em nós e naquilo que acreditamos. Assim como, algumas pessoas não valem a pena e não merecem o nosso mínimo esforço de se ouvi-las ou alerta-las de seus erros, por serem uma grande perda de tempo, um atraso, alguns pontos a menos na nossa sabatina diária de vida. O mundo talvez fosse melhor sem elas e nós quem sabe, mais felizes se permanecessem de boca fechada, entretidas em si mesmas, em suas mesquinharias e ignorância sem contaminarem os outros de maldade e pessimismo. São elementos que fazem parte da obscuridade de nossos dias e cujo respeito pelos outros e por si mesmos desconhecem. Ocupam o nosso cotidiano com futilidades, mentiras, falsidades e como dizia a Clarisse da Ucrânia: "O que me mata é o cotidiano. Eu só queria exceções!"

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Salvamento frustrado


No final da tarde, durante o plantão, um filhote de sabiá caiu do ninho. Eu e Garcia, meu colega de trabalho, após confisca-lo com cuidado, tentamos recoloca-lo no ninho sob os ataques ferozes de seus pais em voos rasantes em nossas cabeças. Nada conseguimos até chegar um terceiro colega que improvisou um andaime com mesa e cadeira.
Nossa, que trabalheira! Quando aproximou o filhote do ninho, mais dois filhotes assustados, pularam para fora. Acho que na tentativa de ajudar terminamos por complicar mais a situação. Voltei para casa frustrado e preocupado, se conseguiram enfim coloca-los em seu ninho, caso contrario, poderão ser alvos fáceis de gatos e cães que passeiam por lá. Também não sei se conseguiriam voltar para o ninho sozinhos, já que visivelmente ainda não sabiam voar!..

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Ai, ai...

Tem dores antigas que ressurgem parecendo ser a primeira vez, mas que de uma hora para outra revive na memória o velho desconforto e sentimento de arrependimento pela certeza da culpa, nossa máxima culpa!.. Não, não estou falando de dores da alma, de emoções não correspondidas, mas de dor física mesmo, no abdome em forma de fisgada após comer um desses sorvete de casquinha, deliciosos e sabor leve, vendidos nas esquinas e que minutos depois perde toda a leveza e começa a pesar na barriga como serragem molhada. Ontem de tarde, caminhando na Osvaldo Aranha com aquele sol quente, não pude resistir, arrisquei e pronto, lá estava eu lambendo um sorvete e algumas horas depois desejando um buscopan na veia, um chá de boldo quente ou qualquer coisa como voltar no tempo para evitar tudo aquilo e assim desaparecesse aquele mal estar e a promessa cínica de que sorvetes, nunca mais.

Outros nortes...

Acabou a congruência de ideias. Os passos já são largos e definem as diferenças que afastam para outros nortes. Talvez exista nas relações algum tipo de duelo inconsciente que tenta demarcar territórios perdidos que não são estes vividos no presente, até que se conquiste um outro, até que se ache novas referencias para se acreditar em outras possibilidades.

sábado, 28 de novembro de 2009

Tango

Todos dançavam o mesmo tango, homens com homens, mulheres com mulheres sem o menor pudor e às vezes se trocavam de par. Dançavam de costas, de frente, de pé, deitados, sem perder a estética dos movimentos e o ritmo do bandoneon. Os que assistiam calados, não sabiam quem era quem na penumbra do saloon, por que afinal, era desnecessário questionar coisas tão banais diante de tanta beleza e paixão.

Fiquei pensando!...
















O que me impede de puxar a corda da descarga?... Chutar aquela pilha de baldes ou mandar tudo para a puta que o pariu?... O medo de abrir a janela e conquistar o novo, mesmo sabendo que o velho é só referencias?... E referencias são tão subjetivas!..





A ultima cena



Deitada sobre o corpo dele nu ela sorria. Então ele perguntou meio ofegante:
_Em que está pensando?..
_Em arte! _Respondeu ela, passando os dedos sobre os mamilos dele, que se arrepiavam.
_O ato sexual jamais diminuirá o grande abismo entre as pessoas, só por alguns momentos como este!_ Disse rolando  nua, sobre ele, numa espécie de brincadeira que tinha feito antes.
Ele então sorriu, enquanto pensava nas estranhas palavras ditas por ela.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Tardes de Julho de 1968

Quando pequeno eu ouvia o coaxar dos sapos que vinham de um alagado perto de casa. Eu não sabia se choravam ou cantavam, mas pra mim era uma uma sinfonia de tristeza, um lamento descompassado e incompreensivel que me fazia olhar pela janela e observar acima das casas e das copas das àrvores, o horizonte já quase noite, o fim daquelas tardes chuvosas e misteriosas de Julho. Sombras se formavam do nada e passavam diante de meus olhos entrando corredor à fora. O que os sapos celebravam em dias tão feios de carregadas nuvens escuras e tudo era tão frio e úmido nas paredes de madeira da casa, naquele chão xadrez? Por que eu ficava ali, naquela janela pequena ouvindo aquele som tão triste em todos os meus demorados e repetidos invernos?

domingo, 22 de novembro de 2009

Faxinas e Rock And Roll

Resolvi hoje não sair de casa. Nem que me pagassem, botaria o nariz pra fora!.. Sem estímulo para caminhar pelo Bric, tomar um café na praça de alimentação do shoping, ou pegar alguma sessão de cinema na tarde, baixou-me uma espécie de espírito domestico, destes que nos induz ao fanatismo por limpezas e ainda um certo prazer doentio de limpar tudo que vê pela frente. Comigo começou pelo banheiro, alguns pares de tênis, roupas, portas, janelas e depois cozinhar feijão enquanto ouvia Jethro Tull e Pinck Floyd.
Recebi até alguns ligações com convites para sair, mas arrumei desculpas e algumas mentirinhas para me abster de explicações
. Meu dia hoje foi de faxina, lanches leves e rock and roll.

Ouça abaixo, das minha preferidas!.. Wish You Were Here Pinck Floyd.

Perguntas e respostas

Ontem encontrei a Carmen, que não é a prima e nem a trançadeira, mas a outra, cujo nome se diferencia por terminar com "N" e que um dia pareceu-me amiga indispensável por sua alegria, senso de humor, despojamento e que a distancia, a falta de contato acabou esfriando o que foi prazeroso num curto prazo de convivência, deixando algumas boas lembranças de verões para traz. Quando a encontrei, percebi que não sentia falta do que se esgotou tão naturalmente quanto começou, com poucas perguntas e igual resultado.

sábado, 21 de novembro de 2009

Epifania

Alguém me disse que não lia meus textos por que eu escrevia demais e que assim não dava para acompanha-los. Eu achei isto, uma destas desculpas esfarrapadas para esconder o verdadeiro motivo camuflado e que poderia ser: "... Não me interesso!.. Acho-os sem graça!... Não gosto de ler!... Não tenho tempo pra isto!, etc.., etc...". E então fiquei pensando que realmente escrevo bastante e este "bastante" se repete quase todos os dias e que vai de reflexões, informações diversas, comentários de coisas que me chamam a atenção, algum humor e abóbrinhas. Não consigo conceber a ideia de ter um blog e não escrever nele, pois como já disse tenho uma relação que se firma na necessidade de por pra fora aquilo que sinto, vejo e penso e um blog no momento é o melhor veiculo que encontrei para isto. Não tenho preocupação de ser brilhante naquilo que escrevo e muito menos ser coerente, mas ser verdadeiro e isto recai no risco muitas vezes de ser infantil, ridículo e mal resolvido. Escrever significa expor-me e enviar parte de mim para alguma plataforma pessoal visivel e acessivel que se difere do interiorizar-se e depois observar, analisar, descobrir e talvez seja isto que procuro, respostas, resoluções com estas buscas. Bom, como individuo em eterna necessidade de entendimento que sou, acho que todas as investidas devem levar-me à algum lugar e que tudo pode ser experimental na vida inclusive um blog cujo o amanhã pode perder sua importância. Até que se estabeleça alguma certeza e então eu mude de ideia, continuarei por aqui jogando tudo que vem à cabeça como uma forma de auto reconhecimento e a sensação de realização e compreensão de minha essência.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Antes das 7

Eu estava indo para o trabalho e não era sete horas da manhã quando parei o carro numa faixa de segurança em que o semáforo tinha fechado. Haviam algumas pessoas nas paradas de ônibus, e o tráfego no meu sentido ainda era calmo naquela hora. Mas parei o carro e eis que cruzou uma senhora de uns setenta e poucos anos, com três cachorros pequenos nos braços e mais dois maiores, seguros pela guia. Os cãezinhos pareciam assustados e entrelaçavam-se nas pernas da mulher. Os outros três muito pequenos, escalavam o seu pescoço e lhe lambiam o rosto carinhosamente dando-me a sensação de que a qualquer momento se desequilibrariam e cairiam no chão. Fiquei surpreso com esta cena que não é normal nos meus dias e pensando nestas trocas de aféto entre pessoas e animais que se adaptam tanto pela convivencia com seus donos, que se tornam quase humanos. Pareciam crianças protegidas no colo de sua mãe, vivendo um dia que para eles parecia tão diferente quanto se parecia para mim.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Por quê?

Tem algo me incomodando que não sei o que é, e isto me desconcentra e me deixa alheio as situações que antes envolveria-me de entusiasmo e prazer. Estou aflito com esta sensação estranha de que nada mais venha fazer sentido na minha vida, de que minhas palavras, sentimentos e atitudes não sejam mais compreendidas e transformem-se num emaranhado de gestos mudos, sem vida, sem significado algum e que por fim acabe qualquer tipo de comunicação e entendimento e tudo passe a ser tão superficial e permanente como me parece ser a morte.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Silencio

Nesta madrugada depois que a chuva caiu impetuosa, a cidade parecia morta, numa quietude anormal, sem pessoas ou carros nas ruas e alguns bairros em total escuridão. Eu calado, observava tudo e parecia mergulhar em pensamentos desconectados com uma musica que tocava longe ou então dentro de mim. Tem vezes que tudo parece cair num profundo silencio, cuja explicação não se acha, não cabe em nenhum espaço, não se entende, causando uma certa inquietação e melancolia...

"Agua de beber, bica no quintal.
Sede de viver tudo.
E o esquecer era tão normal. Que o tempo parava.
E a meninada respirava o vento, até vir a noite.
E os velhos falavam coisas dessa vida.
Eu era criança, hoje é voce.
E no amanhã nós..."

                                        Milton Nascimento

domingo, 15 de novembro de 2009

Ai, ai, ai,ai, tá chegando a hora!

Foram quinze dias, de descanço do trabalho e a possibilidade que somente o tempo disponibiliza, o de fazer coisas que normalmente não faria se estivesse trabalhando. Não pude fazer longas viagens, mas fiz planos e compensei com passeios pela cidade como visitar a Feira do Livro e lugares históricos, ir a shows, festas, churrascos, bate papo em bares na noite, rever amigos já esquecidos. Possibilitou-me também revisar minha caixa preta e descobrir que ela é cheia de pequenas gavetas e estas, com minusculas divisões que revelam intenções boas e más, pontos que se contradizem e se contrapõe a mim mesmo, tornando-me tão dual quanto a minha propria natureza e meus principios.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Riponguice

Uma amiga escrafunchando algumas peças de roupas nos cabides de uma loja alternativa aqui em Poa, olhou para uma saia colorida e disse: _Esta não dá, ta muito riponga!.. _Então demos gargalhadas e lhe perguntei o que intuitivamente já sabia o que ela queria dizer: _Como, riponga, o que quer dizer?
_É este estilo aqui! _ disse mostrando-me uma saianha preta com aplicações coloridos.
_Aquele estilo hippie que não combina com nada, meio estravagante, que foge, destoa!..
Talvés quisesse dizer que foge dos padrões mais aceitaveis, mais elegantes e combinativos.
Em casa fui em busca de uma definição maior desta palavra para matar minha curiosidade e encontrei alguns conceitos. No http//wikicionario riponga é mulher feia, mal vestida, (pejorativo) hippie, o que eu descordo plenamente pois não se pode classificar uma pessoa como feia somente por estar usando um estilo de roupa. Uma pessoa feia pode se manter feia com outros estilos e ser feia é um atributo da pessoa e não da roupa que esta usando. Numa pagina de perguntas e respostas do Yahoo uma internauta colocou em pauta no chamado fórum "tira dúvidas" a seguinte questão:
_Qual a diferença entre riponga, baranga, chibunga e mocréia?
Logo abaixo vinha a resposta de outra internauta, considerada a mais coerente das informações postadas:
_A riponga é a garota hippie, a riponga pode ser chibunga, baranga e mocréia essas outras três acho que quer dizer a mesma coisa, que é feia, horrorosa, descompensada e outras coisinhas mais!...
Portanto conclui que, riponga é o estilo hippie de se vestir, apenas um estilo que agrada uns e não agrada outros! As combinações feitas com acessórios, como bolsas, calçados, colares etc., dentro de um estilo próprio, podem também dimensionar o grau de riponguice, transformando a pessoa de uma simples riponga, numa hippie chique ou um ser completamente fora da casinha e daí ser facilmente taxada de baranga, chibunga, mocréia. Afinal moda me parece algo pessoal e intuitivo e se usado com bom senso, não infringindo regras, fica dificil de errar e assim ser confundida. Para as ripongas sobram talvés homens Bichos grilos, para as hippie chiques os de bom gosto, as outras só Deus sabe!..


Não posso perder!!

Ontem á noite aconteceu o show imperdível de Martinalia no Opinião que eu não fui por outros compromissos marcados e falta de "didinho" mesmo. O bar Opinião é uma das, senão a mais importante casa de Shows de Porto Alegre, criado em 1983 por dois estudantes universitários e que abriga cerca de duas mil pessoas. Ao longo de sua existência, sediou apresentações de grandes nomes da música como: Deep Purple, Bob Dylan, Yes, Jethro Tull, Mercedes Sossa e outros. Dia 20 de Novembro às 22 horas é a vez de Maria Gadú que virá a Porto Alegre pela primeira vez, para a estreia de lançamento de seu disco pela Som Livre. Não dá para perder!!

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

OLHOS FECHADOS E HOMEM DE ÓCULOS

2- Homem de óculos
1- Olhos Fechados

Mas pensando em arte, lembrei-me do Wilson Cavalcanti, ( o Cava), que fazia muitos anos que não o via e que foi possível o encontro, na semana passada por ocasião da apresentação do Melopéia de Arame na Casa de Cultura Mário Quintana. Este encontro ao acaso, fortaleceu-me a ideia de que o mundo não é tão grande assim e que só temos esta ideia errônea, por que tomamos rumos diferentes em nossas vidas. Will ou Cava como é chamado, possui um enorme acervo de trabalhos espalhados por aí neste mundão. Gosto particularmente destes dois trabalhos em pintura feitos por ele: "Olhos fechados" e "Homem de óculos".

Relações Confusas

Disseram-me que as relações não se acabam, elas apenas se transformam em outras relações maiores ou menores e mudam de nome e então posicionamo-nas de acordo com o grau de importância na nossa vida. Ontem ao acaso, encontrei na rua uma pessoa da qual eu pensava que tínhamos uma grande amizade por nos relacionar-mos muito bem no passado e que por pequenas divergências terminei por afastar-me, acreditando que na época ela tinha tido uma atitude que eu achava não ser correta comigo. Insatisfeito com o que eu nunca esperava ter acontecido, decidi dar um tempo o que se prolongou por mais de dez anos. Sempre que nos encontramos, trocamos sorrisos e gentilezas mas que no fundo percebo algum ressentimento que ficou e que mascaramos ora em pequenas explosões de alegria contida, freada, ora em pequenas atitudes de inibição, comandadas por um sentimento maior de orgulho ou qualquer coisa como "não dar o braço a torcer". Assim esta amizade antes maior, passou a ser menor ou outra coisa que não sei o que é, marcada de um certo desconforto causado por um desentendimento nunca esclarecido e que não me importei de dar nome, tranformando-se numa relação confusa e cheia de cuidados.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Velhas novidades

Acordei surpreso ao observar pela janela do quarto que o dia nasceu cinzento e com possibilidades de chuva. Virei-me na cama e liguei a TV com a noticia da chegada de Madona ao Rio, a confusa expulsão e reintegração da agora famosa universitária na Uniban, visual novo nos cabelos de Ana Maria Braga, acidentes, assaltos, balas perdidas. Nossa, como as coisas se repetem e o que parece novidade, já é tão conhecido que tem cara de velho! Desliguei a TV e resolvi continuar a dormir!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Melopéia de Arame


Fui assistir o show do Melopéia de Arame no espaço -Elis Regina na Casa de Cultura Mario Quintana. O grupo possui um repertório rico e singular, surpreende por mostrar algo diferente do que estamos acostumados a ouvir e que por vezes cai nas banalidades musicais. Com arranjos artesanais, passeiam por ritmos como baião, funk, milonga, blues e tantas outras influencias musicais. A banda teve início em 2006 quando Leandro Rodrigues e Michelle Cavalcanti se encontraram nos corredores da graduação em música da Universidade Estadual do RS. Dali em diante, a sensibilidade e criatividade mutuas deram-se as mãos e voz surgindo a necessidade de por prá fora o que alma inquieta precisava dizer. O casamento sonoro foi inevitável e resultou em diversas canções e a certeza de que experimentando mais sons chegariam a um resultado satisfatório. Depois foi a vez do baixista João Rocha e do percussionista Jeferson Moreira aderirem a o grupo. Estava formada a melopéia que é a arte de musicar poesia.
"Ver Michelle no palco cantando musicas cujas as letras fizeram parte da sua vida me emocionou demais por que também fiz parte destas histórias e pude conviver com estes sentimentos que um dia foram de dor e hoje transformados em poesia musicada da melhor qualidade e beleza. Assistindo a o espetáculo pude perceber que a vida nos mostrou caminhos, que crescemos e superamos as dificuldades ("pro peso cinzento que restou...") e estamos aí em busca de melhores dias pras nossas vidas, pros nossos filhos!"
e ouça suas músicas!

Minha preferida:
Goteira:
contatos:
(51)3224.6220
Cel: 9958-8741
Por fora o lado de dentro é tão estranho
Por dentro não há lugar, não há tamanho
Pro peso cinzento que restou
Piso calma, arrebento e vou.

Mas era tanta goteira
Chovia no meu cobertor
E tanta goteira a cidade inteira parou
Deu até pra encher lata d'agua
O barulho não deixa eu dormir
Juntando o restinho de mágoa que eu nunca pude engolir

Vem já raiei meu coração
Já raiei.
(Michelle Cavalcanti)

domingo, 8 de novembro de 2009

Morra de rir como eu:

Il Manifesto Dei Buratini


Recebi a informação por e'mail e repasso para quem estiver interessado: Dia 13 e 14 de Novembro, acontece no Centro Cultural da Usina do Gasômetro a apresentação de Il Manifesto Dei Buratini, dedicado ao maestro de Vittorio Zanella, Otello Sarzi Madidini. A Companhia Teatrino Dell'es de Bologna na Itália inicia uma curta turnê pela América Latina a partir de Porto Alegre, com apresentações do seu espetáculo consagrado de teatro de formas animadas. O espetaculo quer abranger, das origens, aos tempos atuais, as diferentes fases do teatro de figura de animação e utilizando técnicas com bonecos forrados, marionetes com fio, objetos animados e uso das mãos. É imperdível!
Sexta-feira: 16h. e 20h.
Sábado: 16h. e 20h.
Faixa etária: Adultos e crianças.
Ingressos: R$ 10,00 (c/vendas no local a partir de 1h. antes).
Duração: 1h. 30min.
Onde: Av. João Goulart 551- Centro Cultural Usina do Gasômetro.

sábado, 7 de novembro de 2009

O Sorriso do gato de Alice

E eu ficava pensando com o que se parece o teu sorriso diferente, alargado, que se abre sob os gomos da face, se dobra e quase vence as curvas do rosto. Os olhos deram para Elis, os sonhos para os loucos, mas hoje quando cheguei em casa lembrei-me deste sorriso difuso, o sorriso do gato de Alice!

Da fábula Alice no país das maravilhas:
Alice: _Mas eu só queria saber que caminho tomar!
Gato: _Isto depende do lugar a onde quer ir!
Alice: _Oh, realmente não importa desde que eu chegue!
Gato: _Então não importa que caminho tomar!..
Gato: _Nesta direção, mora um Chapeleiro. E nesta direção, mora uma Lebre de Março. Visite quem você quiser, são ambos loucos!
Alice: _Mais eu não ando com loucos!
Gato: _Oh, você não tem como evitar, somos todos loucos por aqui. Eu sou louco. Você é louca!
Alice: _Como é que você sabe que eu sou louca?
Gato: _Você deve ser, senão não teria vindo para cá!




Esta musica Errática, composta nos anos 90 por Caetano Veloso para Gal no Show O Sorriso do Gato de Alice, talvés tenha sido uma das composições mais bonitas que já ouvi em sua voz!



Erratica:
Nesta melodia em que me perco
Quem sabe, talvez um dia
Ainda te encontre minha musa
Confusa...

Esta estrada me escorre do peito
E tão sem jeito
Se desenha entre as estrelas da galáxia
Em fúcsia...

Bússolas não há na cor dos versos
Usam como senha tons perversos
Busco a trilha certa, matematicamente
Só sei brincar de cabra-cega
Errática
Chega.

Neste descaminho, meu caminho
Te percorre a ausência
Corpo, alma, tudo, nada, musa
Difusa...

O sorriso do gato de Alice se se visse
Não seria menos ou mais intocável
Que o teu, véu
Pausa de fração de semifusa
Pode conter tão grande tristeza...

Busco o estilo exato
A tática eficaz
Do rock ao jazz
Do lied ao samba
Ao brega
Errática
Chega!

(Caetano Veloso)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Oque eu queria dizer e não disse nesta noite:


Ainda sinto na boca o gosto da ambrosia feita pela Neuza e que ontem coloquei na lista das melhores ambrosias que já comi, com grumos grandes e sem excesso de açúcar, no ponto! Eu queria ter dito tantas coisas ao marido dela que comemorava ontem seu aniversário, mas minha timidez inicial, e as manifestações de alegria dos convidados acabaram falando mais alto e terminei esquecendo. Eu queria deixar registrado em palavras a importância de se conviver com uma pessoa como ele: Simples, natural, alegre, criativo, sincero, bem humorado e de alma jovem, que declama e faz poesias, que canta canções antigas comigo quando saímos em ocorrencias e que eu me sentia um privilegiado de trabalhar ao seu lado . Pensei também que no caso dele, deveria dispensar as palavras, por que o mais importante é o que a gente sente e eu estava muito feliz de estar ali naquele momento confraternizando. Nestes últimos meses, aprendi muito com sua convivencia, dividindo experiências, discutindo objetivos pessoais, sonhos. Observo suas atitudes, seus momentos de emoção e seu modo criativo de enxergar e se posicionar diante da vida. Não conheço ninguém com 63 anos que possua tamanha grandeza de espirito, energia e disposição para fazer de seus dias momentos de prazer e alegria como ele faz.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Sem encaixes

Quando eu abri a porta e ela saiu de mochila nas costas, me perguntei o por que não estava mais sendo tão bom nossa compahia como foi um dia e então percebi que quando um laço maior se quebra, parece que todo o resto começa a se esfarelar em fragmentos menores que são difíceis de encaixa-los. Talvés ela não retorne para o churrasco combinado de hoje e me telefone dando uma desculpa passiva de se entender!

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Parte de mim estava lá.

Eu tinha que ter postado este texto no domingo, mas ele não acontecia por razões que desconheço. As palavras não vinham, as letras não saiam e então hoje sem maiores esforços a coisa vingou como um piscar de olhos, natural e espontâneo:

Eu só pensava no magnifico banho ao chegar em casa depois daquele domingo de sol entre amigos e o tradicional churrasco de família. Na volta pra casa, enquanto dirigia, vinha em silencio que parecia-me ser alguma forma de insatisfação que eu não identificava ao certo, mas que aos poucos fui esmiuçando as ideias até perceber que se tratava da mesma sensação de quando eu retornava de lugares que pra mim tinham sido satisfatórios, bons, no aspecto de companhias simples, agradáveis e que me punham a vontade ou de lugares que me transmitiam paz e harmonia entre eu e o que estava a volta. Um acertamento ou integração íntima difícil de explicar. Era isto, eu estava chateado de ter deixado pra traz momentos de prazer, de intensa alegria, de bem estar entre pessoas que ali estavam e haviam me proporcionado ficar a vontade no grupo, com simplicidade, autenticidade, sem posturas socialmente elegantes e cuidadosas. Me sentia como uma criança que ganha um presente e não quer ser afastado dele nem para dormir. Ainda comentei com uma amiga sobre o que estava sentindo ao deixar as pessoas pra trás e vir embora
: Uma espécie de melancolia que cabe bem nesta cantiga de Roda que todos nós bem conhecemos e que um dia certamente cantamos: "O anel que tu destes era vidro e se quebrou, o amor que tu me tinhas era doce e se acabou..." Inumeras vezes quando voltava de Bombinhas para casa, sentia isto, como se parte de mim ficasse por lá e só retomaria de volta, quando eu voltasse no verão seguinte!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Nota de satisfação

Todos os finais de mês quando vou pagar uma fatura, me surpreendo positivamente com o atendimento prestado aos clientes e usuários do Banco Itaú. Os caixas operadores que são apenas dois, são gentis e prestativos sem serem enjoados, assim como os vigilantes educados e de postura profissional. Jamais te olham com ar de arrogância ou desconfiança na porta rotativa de segurança como assistí e vivenciei em outros bancos estatais. Aliás, não lembro daquela porta ter sido travada comigo ou outra pessoa desde o primeiro dia em que por ela cruzei. Também não sei se é mérito apenas desta agência na rua Barão do Amazonas ou mérito de um banco privado e que particularmente dá confiança, segurança e certeza de um serviço humanizado e competente. Mais uma coisa, não sou cliente deste banco, apenas um usuário que utiliza o serviço!

Frase no embrulho

"As pedras em que tropeçamos e juntamos para construir castelos, nem sempre são construídos, guardamos nos bolsos para jogar no mundo como forma de vingança!.."
Esta frase é de um autor desconhecido, escrito á mão no embrulho do super mercado que eu trouxe para casa hoje. Achei a frase tão pesada quanto o embrulho e ficou pesando na minha cabeça ainda por alguns minutos depos que joguei no lixo.

Saudades do que fomos

Me pergunto se é possível sentir saudades de nós mesmos, não falo daquilo que vivemos ao longo da vida, mas da forma como enxergávamos as coisas na nossa volta, aquilo que um dia fomos interiormente e que foi se perdendo pelo caminho, para dar lugar ao que somos e chamamos de maturidade e nos transforma em pessoas mais seguras, prudentes. As vezes penso que a maturidade só nos traz mais dúvidas por que eu tinha muito mais certezas antes, do que tenho agora. Lembro de mim mais jovem, infinitamente mais sonhador e apaixonado, desejando conquistas cuja algumas ficaram presas em impossibilidades absurdas que ajudei a construir e tento desenlinhar, sonhos que substituí por outros, vivências que me deixaram marcas e quando lembro-me, dobro o lábio num sorriso involuntário. A juventude nos torna heróis vivos ou super herois, nos faz viver no limite de nossas emoções, transforma pecados em milagres. Vendo minha mãe sentada numa cadeira de balanços, cabelos grisalhos, mais silenciosa do que já foi, penso nas limitações físicas e emocionais que adquiriu com o tempo e que tambem já foi jovem. E eu seguirei esta mesma estrada, diminuirei minhas palavras até que emudeça minha voz e as cores percam o tom?.. Luto para que isto não aconteça, para que minha alma continue num processo oposto embora saiba que impossibilidades surgem.
Olho para aquela faixa que desaparece no infinito e lembro do dia quente que fez ontem. Hoje sopra uma brisa que ontem talvez fosse necessaria. Amanhã um pedaço de hoje com certeza me fará falta.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

LEMBRANDO DE ANA TERRA.



Até as onze da manhã ninguém atendia o telefone móvel ou fixo. Caixa de mensagens vazia. Talvez todos estivessem offline. Será que todos resolveram levar flores no cemitério e enfrentar aquele engarrafamento de pessoas tristes com flores nas mãos, saudosas e silenciosas?
Este ano não ventou, não aconteceu o conhecido vento característico do Dia de Finados, a o contrario, veio um Sol forte, bom para quem está na praia, tomando um banho de mar e neste momento fazer uma pequena introspecção para lembrar o quanto seria bom a companhia daquela pessoa que partiu se estivesse ali juntos, compartilhando alegrias da vida, aproveitando este belo dia. Desta forma é possível avaliar a morte, vivendo a vida.
Agora, penso na inexplicável relação que tenho com o vento e sei que no Dia de Finados, ele sempre se apresenta deixando a própria marca, rara exceção ao de hoje, então passo a lembrar-me de Ana Terra, do Livro "O Continente"- de Érico Veríssimo cujo um trecho diz o seguinte:

"E de novo o povoado ficou quase deserto de homens. E outra vez as mulheres se puseram a esperar. E em certas noites, sentada junto do fogo ou à mesa, após o jantar, Ana Terra lembrava-se de coisas de sua vida passada. E quando um novo inverno chegou e o minuano começou a soprar, ela o recebeu como a um velho amigo resmungão que gemendo cruzava por seu rancho sem parar e seguia campo afora. Ana Terra estava de tal maneira habituada ao vento que até parecia entender o que ele dizia, nas noites de ventania ela pensava principalmente em sepulturas e naqueles que tinham ido para o outro mundo. Era como se eles chegassem um por um e ficassem ao redor dela, contando casos e perguntando pelos vivos. Era por isso que muito mais tarde, sendo já mulher feita, Bibiana ouvia a avó dizer quando ventava: "Noite de vento, noite dos mortos..."

Você também pode gostar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...